segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

As pernas curtas da Mentira ou Verdades que se tornam mentiras por associação (texto)

Longe de mim querer ser o guardião da moralidade, longe nem seria o advérbio mais adequado porque se sou moralista sou tb equivocado. Sei que mentira compulsiva é doença. Convivi alguns anos com um grande amigo (e o fato dele ser mentiroso não afetava a nossa relação) que mentia de formas diversas e sobre tudo: da doença terminal de sua mãe ao salário que ganhava numa multinacional que acabara de contratá-lo como assessor de imprensa; do assalto que sofrera dentro de sua Ferrari à comida contaminada no Celeiro; do namoro com um global à viagem à Grécia. E por aí ela ia contando para si mesmo (porque ninguém mais acreditava em suas histórias) essas suas façanhas. Quanto eu estava de bom humor eu ouvia atenciosamente, quando meu humor não era dos melhores eu simplesmente ouvia o que ele falava.
Hoje, ao ler na Revista Época que a brasileira, aquela que se disse atacada por neonazistas na Suíça, tinha um passado que a condenava em relação às mentiras que contava aos amigos do trabalho, me lembrei desse cara, e me lembrei tb que quando ele sabia que nós sabíamos de suas mentiras ele mentia novamente nos dizendo que estava em tratamento para deixar de mentir. Outra mentira para justificar as mentiras anteriores. Ele nunca se tratou. E era de tal forma doente que acreditava mesmo naquilo que dizia e isso fazia, às vezes, com que fosse mesmo convincente. Ele se meteu em vários problemas por conta disso, um dos mais comuns era se esquecer do que havia inventado e ter que se explicar quando era surpreendido. Passava grandes vergonhas e ainda assim, por ser doente, não se conscientizava do que acontecia.
O fato da brasileira ter mentido aos amigos sobre a morte de um ex-marido num acidente de avião ou a mentira sobre a sua gravidez não significa que ela não tenha sido atacada por neonazistas, mas põe em dúvida qualquer outra história que ela venha a contar.
Casos como esse, o do meu amigo, seriam necessários alguns encontros com um psicanalista para que eles pudessem encontrar a origem desse comportamento, mas para isso, seria necessário que ele estivesse disposto a se tratar. Ele nunca se meteu em problemas como este da brasileira que envolvera até o presidente da república, o ministro das relações exteriores, jornalistas e todos nós, de alguma forma, mas se tivesse oportunidade, não duvido de que faria alguma coisa semelhante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário