sexta-feira, 10 de abril de 2009

Cada um sabe a dor e a delicia de ser o que é (texto)

Adriano declarou hoje na TV que não se sente bem e que precisa, portanto, pensar sobre jogar futebol, que necessita parar para saber o que quer fazer (ou o que não quer), que não tem mais certeza se a vida que anda levando é a vida que ele desejou ter. E que, acima de tudo, não está feliz.
Especula-se (sempre) que o declarado não corresponde ao que anda acontecendo com o jogador (há rumores de envolvimento com drogas, álcool), mas supondo que ele diz o que sente, penso:
Quantos de nós não tem esta mesma vontade?
Quem nunca se perguntou se ocupa o lugar que deseja, mas sem condições de escolha, segue em frente ou, simplesmente, não dá muita bola para a infelicidade?
Pelé disse que a decisão de Adriano desmotiva as novas gerações. Desmotivar seria ganhar dinheiro a qualquer custo. Que custo alto, jogar bola sem vontade! A felicidade não está, definitivamente, no mesmo lugar para todas as pessoas. Ter opção sempre é melhor. Sorte a dele, seja lá o que o motivou (e torço para que seja a dúvida), ter condições de poder, com a idade que tem, com a grana que ganhou, escolher.
Nem é casamento, como acredita o Zagallo, que torna alguém mais feliz. Ou filhos que preenchem o vazio que se sente. O dinheiro tb não compra tudo. Ele quer "estar mais próximo dos amigos e da família" e acredita que dessa forma escontrará uma resposta, afirmou O Imperador.
Como admirador do seu futebol, sinto por sua ausência. Ele tem o direito de não querer o que querem que ele queira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário