sábado, 16 de maio de 2009

A cultura da futilidade (texto)

É claro que sou a favor da diversidade. Total e irrestrita. Sem exceção. Sou pela possibilidade da existência e convivência de qualquer que seja a vertente. E mais do que isso, tenho procurado, porque isso é um aprendizado e não acontece da noite para o dia, respeitar as verdades, todas elas. Sem hierarquias. Sempre que posso faço o meu papel como educador para que meus alunos, em algum momento, pensem sobre as diferenças, e mais, procuro mostrar que não espero pelo dia em que todos os homens concordem, apenas sei de diversas harmonias bonitas possíveis sem juízo final. Mas a cultura da futilidade de uma parcela da comunidade gay é insuportável. Não consigo ficar indiferente diante da ostentação como se ela fosse produto de primeira necessidade, cesta-básica.
Sei que não devia, mas fico ofendido diante da seriedade com a qual se fala sobre nada e coisa nenhuma como se fossem muito importantes. Pior, como se fossem importantes para todas as pessoas.
Sei tb que essas afetações não são próprias da cultura gay, mas elas me tocam de maneira diferente quando surgem da boca de parcela dessa comunidade.
Há muito mais para ser mostrado do que alimentar os porcos com pérolas. Mesmo porque isso afasta e a proposta não é com-viver? Não é integração? Não é respeito? Não é o outro e eu também? Pois é ... falta ouvir o que se fala. Tarefa difícil, eu sei (e sei bem), mas investir nisso deveria ser básico.


3 comentários:

  1. Ale,
    Diria que essas são coisas que me dão um pouco de preguiça..
    As vezes não presto atenção para não cansar.
    Nanci

    ResponderExcluir
  2. OI querido!
    Passei pra ler o texto, achei a foto egraçadinha, sobre o texto concordo com vc.
    Bjs.

    ResponderExcluir