quarta-feira, 17 de junho de 2009

Questões de subjetividade (texto)

A Parada Gay em São Paulo é um momento de afirmação da homossexualidade. Concordem ou não, participem ou não, é o maior evento em torno da visibilidade da comunidade de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Trangêneros (LGBT). No entando, a grande mídia se dedicou às questões como o aumento nas vendas no comércio, lotação de hotéis, a quantidade de pessoas nas ruas, e, sobretudo, à violência.
Existe uma escancarada e significativa negligência da grande imprensa em abordar as questões subjetivas das sexualidades. O discurso heterocêntrico não deixa espaço para as diferenças de gênero. Em termos de violência, essa última Parada, foi uma das mais tranquilas, segundo a polícia militar.
Mas se ela, a impensa oficial, dá tanto destaque à violência, por que não a usa para discutir, por exemplo, a homofobia? A criminalização da homofobia é um fato que não é tangenciado pelos meios oficiais de comunicação. Por que não se discute o que está por trás das agressões, as suas motivações, ou ainda, a consequência disso nas pessoas vítimas dessa violência? E tb como e por que essa situação se naturaliza e se instala nos agressores?
Precisamos que as pautas jornalísticas pensem que a Parada não é apenas festa ou um momento turístico para a cidade de São Paulo, mas um momento para se pensar a sexualidade em todas as suas manifestações.

3 comentários:

  1. Oi querido!
    Estava assistindo o jornal da dez da Globonews e fiquei indignada com essa violência toda, mas vc tem razão ninguém discute o que provoca estes ataques.
    Muitos bjs pra vc amigomeuzinho!

    ResponderExcluir
  2. Ale,

    vou ser sincera com você...desteto extremos...creio que para uma convivência saudável e de respeito, ambos os lados precisam se respeitar.

    Se acho horrivel uma pessoa jogar uma bomba numa pessoa, ou bater nela, por causa de sua opção sexual, também acho horrível que certos representantes da classe se deêm a certos tipos de confrontos com as pessoas...

    Isso para todos os níveis de preconceito, não so o homossexualismo,é assim no racismo, e até entre times de futebol...

    Sei que são uma minoria que brigam, que machucam os outros, e por isso vão para a TV, causando um conceito totalmente errado na população que vive pela mídia.

    Fica a máxima...

    O Barulho me faz pouco bem...e o bem faz pouco barulho

    Infelizmente.

    Um abraço carinhoso para você, e muita luz na tua vida sempre.

    ResponderExcluir
  3. Você Alexandre por sua formação acadêmica e teórica sabe muito bem como isto funciona...
    Os meios de comunicação não discutem ou problematizam certos temas relacionados ao homosexualidade porque a própria imprensa é portadora do discurso homofóbico, racista...

    ResponderExcluir