quinta-feira, 9 de julho de 2009

Vai ou não vai? (texto)

Sem o apoio do Partido dos Trabalhadores (PT), a situação do presidente do Senado, José Sarney, está cada vez mais delicada. É claro que o seu partido, PMDB, dá alguma sustentação, mas não garante a permanência do senador: a estretégia de aguardar o recesso que começa na próxima quarta-feira, 15, e com isso ganhar algum tempo. As denúncias são tantas, as medidas tomadas não correspospondem à gravidade do problema: nomeações, exonerações, pagamentos de horas extras, pagamentos de planos de saúde odontológicos e clínicos para familiares de ex-parlamentares, entre outras aberrações inadmissíveis num estado democrático de direito.

Um comentário:

  1. Sarney esta a altura do finado ACM em questão de falcatruas, mandos e desmandos... Porém, estamos correndo um risco grande ao deixar a impressensa focar tudo que ocorre no senado na figura do seu presidente. Tem muito senador interessado que o Sarney se F... Para poder maquiar e fazer com que a opinião pública esquessa a discussão inicial que era a crise do Senado enquanto instituição política e não apenas de uma pessoa, ou seja, Sarney. Seria o momento dos eleitores brasileiros se mobilizarem e pressionarem esta corja,mas...

    ResponderExcluir