terça-feira, 4 de agosto de 2009

Espelho, espelho meu (texto)

O presidente Luiz Inácio Lula a Silva se reuniu na noite desta terça-feira (4) com o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), para tratar da crise do Senado. Temer, que também é presidente licenciado do PMDB, disse que a conversa serviu para tratar de temas relacionados à Câmara e ao Senado. O encontro não estava na agenda de Lula.
“A cada 30 dias o presidente me chama para nós conversarmos sobre questões relacionadas ao Congresso e à política. Conversamos também sobre a crise do Senado”, disse o peemedebista ao sair do encontro.
Segundo Temer, Sarney não vai renunciar à presidência do Senado. “[Ele] não renuncia.” O presidente da Câmara disse que o presidente Lula voltou a defender que o Senado resolva a crise com suas próprias forças. “O presidente continua muito empenhado no sentido de que o Senado resolva a questão por conta própria. Evidente que demonstrou todo apreço pelo presidente Sarney”, afirmou. Antes de Temer, Lula também teve uma reunião fora da agenda com o senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL). Collor saiu da reunião sem dar declarações.
Ao chegar no Senado, Collor seguiu diretamente para o gabinete do líder do PMDB, Renan Calheiros (PMDB-AL). Nenhum dos dois deu declarações à imprensa.
Na segunda-feira (3), Collor e Calheiros protagonizaram um bate-boca com o senador Pedro Simon (PMDB-RS), que pedia a renúncia de Sarney, seu colega de partido. Nesta terça, Simon pediu esclarecimentos à Mesa Diretora do Senado sobre o comportamento de Collor.
Nos últimos dias, Lula e integrantes de seu gabinete pessoal tem intensificado os contatos com senadores da base aliada para tentar encontrar uma solução para a crise no Senado. Na segunda-feira, o chefe de gabinete do presidente se reuniu com o líder do PT no Senado, senador Aloizio Mercadante (PT-SP), e a líder do governo no Congresso, senador Ideli Salvatti (PT-SC).
Nesta terça, Mercadante afirmou que o PT continua defendendo a licença de Sarney da presidência do Senado, mas disse que não tem compromisso com a iniciativa dos partidos que se opõem à Sarney de pedir a renúncia do senador. "Não tenho compromisso com essa iniciativa. A posição do PSDB não é de licença, é de renúncia, manifestada em plenário", disse Mercadante por meio de sua assessoria.


Nenhum comentário:

Postar um comentário