segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Estar em casa (texto)

Pronto, cheguei ao Rio e estar aqui perto da minha mãe, por mais que seja sofrido vê-la como está, sempre é muito bom. Já conversamos um pouco e fiz uma massagem em suas pernas, que estão muito inchadas. Ela não acerta mais o meu nome. Chega a ser engraçado. Hoje me disse: "meu amigo, meu amigo, vc é o único que se preocupa comigo." Eu ri, porque parece até que não sou seu filho. Eu respondi que ela estava enganada, com-ple-ta-men-te enganada, porque tem muita gente que anda se preocupando com ela. Falei da Fátima, da Cris, da Ju, da Roberta, da Feola, da Rosana, da Ruth, da Tânia, da Teresa, da Sandra, da Maria Lúcia, da Terezinha, da Isabel, da Rita, da Clarice, da Bea, da Valdeci, do Aquiles, da Juci, da Nanci, da Aline, da Sil, da Jacicarla, do Dias, da Érika, do Robson, da Vera, da Patrícia, do Wilson, da Vanise, de tanta gente falei.
Ela apenas me olhou sem acreditar muito no que eu dizia. Mais vontade de rir.

2 comentários:

  1. Muitos beijos pra vc meu querido amigo e mais um monte na sua mãe.

    ResponderExcluir
  2. ai Alê, como não dar um sorriso largo lendo isso? rs adorei! espero que vc fique bem aninhado ai no colinho dela, que a mime bastante porque ela merece, colocou no mundo e fez de você essa pessoa que a gente gosta tanto mesmo sem conhecer. Paz e felicidade meu amigo e muito obrigada pelas tuas palavras la no meu bloguinho, fiquei tocada.
    Saúde pra todos nós!
    bjs

    ResponderExcluir