terça-feira, 27 de outubro de 2009

Câncer de mama, passeata gay e outras considerações (texto)

O governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), disse (querendo ser engraçado, é claro.) no programa "Escola de Governo", veiculado pela TV Educativa do Paraná, que o câncer de mama em homens deve ser "consequência de passeatas gay".
Requião deu a declaração ao convidar para falar o secretário da Saúde do estado, Gilberto Martin, que anunciaria ações para o controle de câncer. "A ação do governo não é só em defesa do interesse público, é [em defesa] da saúde da mulher também. Embora hoje câncer de mama seja uma doença masculina também, né? Deve ser consequência dessas passeatas gay", disse Requião, ao convidar o secretário ao palco. O secretário afirmou que o câncer de mama não é um problema só da mulher. "Em menor incidência, em menor número de casos, também atinge o homem. O homem também tem que tomar cuidados em relação ao câncer de mama. Então, bem lembrado pelo governador essa preocupação", afirmou Martin.
Fazer tal afirmação pode produzir, como efeito de sentido, que passeatas gays não apenas transformam homens em mulheres, já que no imaginário do governador e tb no que diz respeito ao senso comum, mas que o câncer de mama é uma doença exclusivamente feminina (desinformando ou reforçando um esteriótipo), além disso, que passeatas gays produzem doenças sérias, como, por exemplo, o Câncer de mama. Ou ainda que participar desse tipo de manifestação (as passeatas gays) é uma doença.
O que o Governador ainda não sabe, mas não me causa nenhum estranhamento dado comentário feito por ele, é que passeatas (sejam elas quais forem) curam doenças, elevam os espíritos, porque promovem igualdades, promovem fraternidade e menos discriminação.


Um comentário: