terça-feira, 3 de novembro de 2009

Bastardos Inglórios (filme)

Assisti pela segunda vez Bastardos Inglórios de Tarantino. Ele mistura linguagens, épocas e escolas - que praticamente desaparecem no resultado, tornando-se algo bem pessoal
Tarantino apanha todas as coisas que lhe são queridas, com as quais cresceu, e as transforma. Ele já fez isso muitas vezes, mas em Bastardos busca uma certa organização sutil separando os gêneros através de uma organização em capítulos.
A história começa na França ocupada pelos nazistas, onde Shosanna Dreyfus (Laurent) testemunha a execução de sua família pelas mãos do coronel nazista Hans Landa (Christoph Waltz merecia uma crítica à parte). Enquanto isso, também na Europa, o tenente Aldo Raine (Pitt) inferniza ao lado de seu grupo de soldados-judeus os nazistas. Conhecido por seus inimigos como Os Bastardos, o esquadrão de Raine se junta à atriz alemã e agente infiltrada Bridget Von Hammersmark (Diane Kruger. Excelente, por falar nisso.) em uma missão para derrubar os líderes do Terceiro Reich.
Inteligente, ainda que mantida rigorosamente simples, a trama investe nos atores - e a direção de elenco é a melhor da carreira já celebrada por essa característica de Tarantino.
Christoph Waltz, ator austríaco, não dá chance a quem quer que divida a cena com ele. Seu vilão é tão sensacional que Bastardos Inglórios torna-se, sem querer, quase como um filme do Batman, em que são os antagonistas que valem o ingresso. Brad Pitt? Bom e caricato, como o filme exige. Mas Waltz está simplesmente em outra esfera de talento. Caricaturas, aliás, são o pão-com-manteiga do filme.
É divertida a maneira como Tarantino conscientemente reduz personagens aos seus estereótipos conhecidos (o americano caipira e bruto, a francesa blasé, o inglês supereducado, os nazistas engomadinhos...) para economizar tempo em explicações e construção de personagens.
O cinema de Tarantino tem uma violência anestésica. Ele consegue transformar o "gore" em "cool" dentro de determinados públicos. Mas fica o aviso - há quem tenha criticado duramente a produção por conta disso, gente que considera Tarantino um eterno adolescente fascinado com seus brinquedos. Sem pena, mata a mocinha, o mocinho, mata quem quiser.
Tarantino é mesmo inconsequente - mas enquanto tiver seu público cativo, formado por gente como ele, seguirá em seu mundinho. Eu, pelo menos, agradeço.


Nenhum comentário:

Postar um comentário