sábado, 23 de janeiro de 2010

Era uma vez (texto)

Era uma vez uma Tristeza bem grande. Ela morava pertinho, bem ao lado da Solidão. Sempre que podiam (e sempre podiam!) tomavam o café da manhã juntas. Parece até que combinavam. O dia, então, ficava repleto de melancolia. Elas se compreendiam e eram tão íntimas que mesmo em silêncio, mesmo sem uma única palavra que fosse, se sabiam.
Certo dia a Tristeza resolveu convidar a Saudade também para esse encontro, ela não morava tão longe, na verdade, morava na mesma quadra. Bem ali na outra esquina. E a Tristeza apostava que a Saudade e a Solidão se dariam bem.
Foi uma grande descoberta porque perceberam que eram partes umas das outras. Daquelas amizades que não se pode explicar: era como se se conhecessem há muito tempo. Nunca mais se deixaram. Elas mal podiam, diante de tamanha afinidade, descobrir quem era uma e quem era a outra.
Não sei dizer se viveram felizes para sempre, mas posso afirmar que viveram juntas por muitos anos.

2 comentários: