terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

E ai você gosta de Carnaval? Que vai fazer neste Carnaval? (A Cris pergunta)

A Cris, do Canto de Contar Contos, perguntou, num post recente, se gostávamos de carnaval. Pensei, pensei, pensei bastante para não dizer qualquer bobagem e afirmar que gostava ou não gostava assim no calor dos acontecimentos. Sei que já gostei muito, muito mesmo. E ficava esperando o sábado de carnaval para me divertir fantasiado. 
Pensando bem, antes mesmo dessa época eu já era um folião. Minha mãe me fantasiava de índio (já postei aqui a foto - tá aí acima) ano após ano e me levava para um clube. Não me lembro muito bem desse tempo. Mas as fotografias "não mentem". Além das histórias engraçadas que ela contou, muito tempo depois,  dessa época.
Na adolescência não podia perder um carnaval (daquele jeito que acha que o mundo vai acabar na quarta-feira de cinzas e tem que aproveitar até o último instante): fantasia de dia, fantasia de noite. 
Quanto eu já tinha idade para frequentar o baile de adultos (naquela época, não tão remota, isso existia) eu tinha que ir as quatro noites. Ficava como um doido (porque só doido mesmo) rodando o salão
Com os primos (postiços) Tony e Rose brinquei bastante. Saíamos fantasiados naqueles enormes grupos de foliões. Sei que isso durou um bom tempo, mas não sei, exatamente, quando isso terminou. 
Depois o carnaval virou sinônimo de viagem para a Ilha Grande. Era muito divertido. Os amigos Robson, Vera, Íngridi, Gil, Dias numa época e Sebastian e Ana noutra (não necessariamente nesta ordem e nem os grupos tão fechados e definidos). Esperávamos para reencontrar na mesma pousada os amigos dos anos anteriores. E aí o carnaval era praia de dia e conversa (bebida) à noite.
Isso tb passou.
Noutra época passei apenas a viajar para a praia com os amigos de Curitiba (já adulto). Aí o carnaval já havia se transformado em alguma coisa que nem sei explicar.
De volta ao Rio conheci a Vanise, pronto (!), perdição total. Até fantasia ela me obrigou a vestir (na verdade nem fui tão obrigado assim). Sambódromo. Desfile em escola de samba. Blocos de rua: Cordão do Bola Preta; Imprensa que eu gosto; Simpatia é quase amor; Banda de Ipanema; Carmelitas; Boi-Tatá etc. Bons anos!
Ultimamente, voltei ao programa praia, mas com música, não necessariamente de carnaval. Além disso tb reencontro alguns amigos. Um encontro praticamente anual em Florianópolis.
Este ano não sabia o que fazer, não estava animado. Até que uma mensagem me tirou o sono (uma vaga sobrando numa pousada). Comprei as passagens e vou, mais uma vez, para Floripa: naquele esquema: praia de dia e pousada à noite (porque nao sou de ferro e as pernas doem).
Acho que gosto sim de carnaval, mas um carnaval menos folião e mais reencontro. E você?

3 comentários:

  1. Por diversos motivos que não cabe aqui falar, nunca festei muito no carnaval, tanto que esta data sempre passa meio em branco. Neste ano não vai ser diferente, vou trabalhar domingo e terça-feira de carnaval, mas não me importo muito com isto não, são dias como os outros.

    ResponderExcluir
  2. Eu já gostei mais, mesmo assim nunca tive a vida tão agitada como a sua.
    Coisinha fofa essa foto heim!
    bjs.

    ResponderExcluir
  3. Ai que delicia de texto Ale! Li, e reli, atentamente, tua foto de Índiozinho lindo!
    Tenho boas lembranças também e de te ler voltaram muitas, acho que todo mundo passa por essas fases que vc disse, so que hoje em dia, carnaval pra mim mesmo é fantasiar a Julia, comprar muito confete e serpentina( que ela adora como eu) e deixar a baixinha curtir o tempinho dela com os amiguinhos na escolinha.
    Vou pegar uns filminhos e ficar de boa.
    Boa viagem pra vc meu amigo! Te quero muito bem!

    ResponderExcluir