sábado, 6 de março de 2010

PIB e FIB (texto)

Fui na quinta-feira a um templo Kardecista. Fazia tempo que eu queria conhecê-lo. A mãe  (Neida) de um grande amigo (Marcelo) é uma das coordenadoras do lugar. Combinei com uma amiga e fomos. O lugar é lindo: ao redor do salão principal tem um imenso jardim com muitas flores. O cheiro delas se espalha por todos os cantos. Fomos muito bem recebidos. Não estava cheio (e isto é algum sinal). Prefiro desse jeito (acredito que a coordenação, não).
Ouvimos a coordenadora do dia (por acaso a própria Neida) falar sobre o PIB (isso mesmo! Produto Interno Bruto) e o FIB (Felicidade Interna Bruta), a partir de um texto que lhe foi enviado por uma amiga. E este a partir de uma leitura (que por acaso tb fiz) de um texto publicado na revista da GOL. A palestra girou em torno, justamente, de como se mede a riqueza de um país e, segundo o texto primitivo, o parâmetro poderia (ou deveria) ser outro.
A felicidade de um povo não se mede com os dados do PIB. Talvez possa ser medida a partir do que fazemos com a nossa própria vida. É claro que sei que tb falamos desse lugar burguês_classe_média _meio _falida no qual o conceito de felicidade está atrelado ao de acumular coisas. Nem sei se poderíamos falar de outro (se seria possível hoje em dia), contudo, posso dizer que ouvi-la foi bom, justamente porque parei para pensar um pouco sobre a vida que eu estava levando até o ano passado (mais infeliz) e que resolvi mudar, na medida do possível, alguns poucos e possíveis parâmetros.
Nenhum deles tem a ver com acumular coisas, mas com o desprendimento. E está sendo bem fácil (pelo menos até agora). Ando me sentindo melhor, mesmo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário