segunda-feira, 22 de março de 2010

Somos todos iguais ou existem pessoas mais iguais que outras? (texto)


Deu na Globo.com: Aluna lésbica pede para levar namorada como par, e escola cancela baile nos EUA. O caso foi parar na Justiça em Fulton, no estado do Mississippi. Constance McMillen, de 18 anos, quer ir à festa vestindo terno.
Constance checa suas redes sociais na escola agrícola do condado de Itawamba, em Fulton, no estado americano do Mississippi. Constance, assumidamente lésbica, queria ir ao baile da escola com sua parceira do mesmo sexo, vestindo um terno, mas não teve permissão da escola. O distrito escolar chegou a anunciar a proibição de casais do mesmo sexo na festa. Uma organização pró-direitos civis, a American Civil Liberties Union, apelou ao distrito escolar para que ela pudesse levar a parceira ao baile, mas a escola, sem citar diretamente o caso de Constance, preferiu cancelar a festa, marcada para abril. A organização recorreu a um tribunal distrital em nome da aluna, para garantir a liberdade de expressão dela e realização da festa.
O desdobramento: começa nesta segunda-feira , dia 22.03, nos Estados Unidos um processo judicial para tentar revogar a decisão de uma escola secundária do Mississippi de cancelar o baile de formatura depois que uma aluna lésbica manifestou a vontade de comparecer vestida de terno e acompanhada de sua namorada.
A escola Itawamba County havia determinado que Constance McMillen, de 18 anos, poderia levar a parceira à festa, mas impôs que as duas fossem com vestidos e que não chegassem juntas, dançassem ou trocassem carícias. Ou seja, elas até podem se assumir homossexuais, desde que não manifestem, em nenhuma hipótese, a sua homossexualidade.
Após a recusa de McMillen de aceitar as condições e de recorrer à Justiça, a escola decidiu cancelar o evento, que estava marcado para 2 de abril. A escola também está sendo acusada de ter violado o direito à liberdade de expressão da aluna.

Apoio: McMillen diz que passou a ser discriminada no colégio depois do caso. Pais dos demais alunos organizaram um baile de formatura particular e não a convidaram. O caso, no entanto, ganhou repercussão nacional. A União Americana pelas Liberdades Civis anunciou seu apoio a McMillen. No Facebook, uma comunidade favorável a ela conta com mais de 384 mil membros. A jovem também foi entrevistada no popular talk show da apresentadora lésbica Ellen DeGeneres, e recebeu uma bolsa de estudos no valor de US$ 30 mil de uma empresa de mídia digital

Nenhum comentário:

Postar um comentário