terça-feira, 13 de julho de 2010

Foi com medo de avião (texto)

Acabei de chegar no Rio. E dessa vez não foi fácil. Saí de Cascavel às 17h e cheguei às 18h em Curitiba. Até aí tudo tranquilo. Nenhuma surpresa além do bom serviço da TRIP.
Em Curitiba, fiquei até às 20h40 para embarcar para o Rio. Tb tudo dentro do esperando, do pago, do certo. No entanto a vinda para a Cidade Maravilhosa, cheia de encantos mil, foi barra pesada.
Antes disso: foi a primeira vez em toda a minha vida que chego no Rio à noite. E para a minha surpresa (segunda da noite, mas a primeira em cronologia), a cidade é dourado à noite. Lindo demais!
Quase para aterrisar, o comandante nos dá a seguinte notícia: "Em virtude do mal tempo que se abateu sobre a cidade, vamos para o Galeão." Já fiquei inquieto, primeiro, como assim mal tempo? Estou de recesso acadêmico. Tudo bem que não quero praia, estamos em julho, mas mal tempo já é demais! Depois, que história é essa de Galeão, paguei para descer no Santos Dumont (parêntese explicativo: o Galeão é o aeroporto internacional Tom Jobim, fica longe pra burro do Centro da Cidade.)
Em seguida, descubro o que o comandante quis dizer com mal tempo. Um vendaval assolou os ceús da cidade, quiçá da região, e não conseguíamos descer nem no Galeão. Diante do vento forte, eu já havia me conformado em pegar um táxi, gastar meu décimo terceiro, mas chegar vivo em casa.
O avião balançou, deu algumas voltas sobre Santa Teresa. Da terceira vez, apelei para Todos os Santos conhecidos. Só me lembrava de São Longuinho, mas eu ainda não havia perdido nada, mas estava a caminho; Santo Antônio, isso mesmo! São Pedro e São João, acho que por força do mês.
Eu via passar a pista do aeroporto algumas vezes e nada do avião descer. Me lembrei de Chico Xavier, quando numa forte turbulência fez o maior escândalo no avião e o seu mentor espiritual lhe disse para morrer com educação. Ele prontamente respondeu que nunca viu ninguém morrer educadamente. E continuou com o escândalo.
Não cheguei a esse ponto, mas tenho que dizer que estava morrendo de medo de morrer na escuridão sem saber aonde ia cair.
Depois de meia hora, finalmente descemos são e salvos.

3 comentários:

  1. ai Alê, que aventura heim...rs essas rendem as melhores historias de nossas vidas, vais ter pra sempre essa pra contar.

    Olha eu já encarei um bimotor da Trip, foi cruel viu...rs

    Ri a beça com você por lembrar o Chico...rsrsrsrs

    que bom que você está vivo!!!!!!!!!

    está no Rio, e que encara o mundo com seu ótimo e intelingentíssimo humor

    adoro te ler.

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Seja bem-vindo ao Rio mais uma vez. A Cidade Maravilhosa está realmente um pouco nebulosa estes dias, mas durante o dia, tem aberto um sol.
    Boas férias

    ResponderExcluir
  3. Caraca! Foi só vc chegar e o tempo já mudou( agora tá chovendo) que uruca braba hem!. Me liga pra gente almoçar, se o Rio não inundar, com sua chegada. Um grande abraço! ROBSON

    ResponderExcluir