quinta-feira, 5 de agosto de 2010

A invenção da hetero sexualidade (livro)

É mesmo complicado desnaturalizar quaisquer que sejam as formações hegemônicas. Homem não chora. Homem não leva desaforo pra casa. Homem não discute a relação e por aí vai.
Crescemos ouvindo todas essas verdades (e quase sempre tem uma mulher reproduzindo-as). Ser um homem com H maiúsculo, nesses termos, é aprendizagem.
Lembro-me no ensino fundamental e nos dois primeiros anos do ensino médio (na época primário e ginásio e segundo grau ou científico, respectivamente) como era complicado compreender certos comportamentos dos colegas de turma. 
Eu, por exemplo, era péssimo jogador de futebol e encontrei durante todos aqueles anos de escola professores de educação física que me obrigavam a jogar bola. Mas jogar como se eu além de não gostar, não entendia uma regra sequer? O que acontecia era que ou eu jogava assim mesmo (e fiz isso durante muitos anos)  ou para compensar (sabe-se lá o quê) devia correr em volta do campo enquanto os colegas se divertiam (com o futebol e comigo).
Hoje é bem mais fácil, e tranquilo, entender o porquê dequeles comportamentos. Ninguém nasce detestando o outro, mas se aprende. É mesmo muito complicado entender o que nos é diferente.
Tem um livro muito especial chamado "A invenção da hetero sexualidade" de Jonathan Ned Katz (Rio de Janeiro, Edioro, 1996). Foi um livro importante na minha vida. Reli diversas vezes para compreender a história da sexualidade e o processo de naturalização do que se diz normal em detrimento do que se vende como anormal, doente, fora do comum, bizarro, estranho, esquisito e por aí vai.
Aprendi, entre outras coisas, nesse livro que "as categorias sexuais que são tão óbvias para nós, as que dividem a humanidade em heterossexuais e homossexuais, não parecem ter sido conhecidas pelos antigos gregos". O livro nos previne de que precisamos evitar projetar as nossas categorias atuais sobre as sociedades passadas, que organizavam as pessoas e a sexualidade seguindo linhas muito diferentes. 
Por exemplo, o termo homossexual só foi inventado em 1869 (o ano tem sido recuado para 68). O primeiro uso de heterossexual incluído no Oxford English Dictionary Supplement data de 1901. O mais recente Oxford English Dictionary Supplement volta o ano para 1892, mas este também tem sido estabelecido como sendo 1868). Ou seja, esses termos, aparentemente, passaram a ser  de uso comum apenas no primeiro quarto do século XX; antes disso, se as palavras representavam conceitos, as pessoas não concebiam um universo social polarizado em héteros e homos. Interessante, né?
Outro dado importante encontrado neste livro, foi a explicação, histórica, de que Heterossexual não era equiparado aqui a sexo normal, mas a perversão - uma tradição que se manteve na cultura da classe média até a década de 1920.
E por aí vai.
O livro é importante por diversos motivos, sobretudo porque nos mostra que o hegemônico é construção.
Ah, no início do texto eu escrevi que até o segundo ano do segundo grau eu penei na mão de professores de Educação Física, mas no terceiro ano do segundo grau encontrei um que mudou a minha vida no colégio. Ele foi um cara especial na minha formação, ainda que não se desse (acho) conta disso.
As aulas de educação física não se restringiam ao jogo de futebol (eu podia escolher tb o voleibol, o basquete, outros esportes). E não pensem que eu não gostava de esporte: nadei durante muitos anos e o skate era companheiro de muitas horas. Além disso, quando me faltava um companheiro de dupla (quase sempre faltava) ele fazia os exercícios comigo. Não precisava mais nada.

Um comentário:

  1. Olá Alexandre, a força de um bom texto não se mede. É, não somos "hete" ou "homo", somos simplesmente pessoas. "É complicado desnaturalizar" mas é possível quando as pessoas não estão vitrificadas impedindo absorver o que é realidade simplesmente. Valeu pela referência do livro!

    ResponderExcluir