sábado, 16 de outubro de 2010

Comer, rezar e amar (texto)

Assisti hoje ao filme "Comer, rezar e amar", mas não vou falar sobre ele nada além do que se ele tivesse ficado apenas no Comer teria sido um ótimo filme.
Vou escrever sobre o dia divertido que tive aqui em Curitiba, e é claro que ir ao cinema tb contribuiu bastante para que o dia fosse bacana.
O dia estava lindo. Acordei e fui tomar o café da manhã no Mercado Municipal. Na saída encontrei o Mário (Que Mário? Uns poderiam me perguntar), o amigo da universidade (de Cascavel) que está, faz alguns anos, aqui em Curitiba. Fazia algum tempo que não nos encontrávamos. A nossa conversa era apenas por e-mail. Foi um encontro bem rápido, mas prazeroso. Colocamos a conversa em dia. Ele e a esposa sempre alegres e sempre uma boa conversa.
Voltei para o hotel e saí, em seguida, para uma caminhada pela cidade. Andei bastante, pra variar (adoro caminhar). E como o dia estava bonito, aproveitei para olhar as pessoas, as vitrines.
Fui ao shopping e comprei dois CD´s: o mais recente da Vanessa da Mata (Bicicletas, bolos e outras alegrias) e um bem antigo dos Novos Baianos "Acabou chorare" (esse da minha época de criança, lançado recentemente em CD) de 1972 (tínhamos o vinil em casa e a minha mãe adorava).
Almocei num restaurante árabe (indicado por uma amiga, Beni). Sabores impressionantes, como disse a amiga. Voltei ao hotel, dormi um pouco e cinema. Depois do filme, mais uma passada no hotel para um banho, um descanso e saí para jantar. No restaurante, encontrei um amigo de longas datas (Édson). Conversamos muito, quase até agora. Ele me deu uma carona até o hotel e estou aqui, exausto. Amanhã retorno a Cascavel e volto à rotina de aulas e vestibular mais feliz por conta do final de semana.

2 comentários:

  1. Oi Alê, voltei!

    Quero muito ver esse filme, algo me diz que deve ser muito bonito, mas vou observar a sua resalva.
    Eu tbém adoro caminhar, e te lendo aqui pensei, qualquer dia poderíamos sair a caminhar e tirar fotos da cidade, e ai faríamos um post um para o outro, como se eu estivesse te mostrando a cidade e os lugares por onde andei e vc me mostra os seus, me diz se vc topa e o que acha da idéia.

    beijos querido

    ResponderExcluir
  2. Eita, invejável essa sua forma de existência relatada. Isso é o que se pode chamar de "cidadão livre"! Rs,rs,rs. Dar-se ao luxo de proporcionar esse tipo de mimo a si mesmo é algo que não tem preço. Ficar algumas horas à toa é muito aprazível.Temos a sensação de somos mesmo senhores de nossas vida.

    ResponderExcluir