sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Uma pausa na política partidário para uma nota sobre o 15 de outubro (texto)

Hoje é o dia dos professores, se minha mãe estivesse aqui ainda, ela teria me ligado por volta das 10h da manhã (mesmo que eu tivesse, faz algum tempo, passado a acordar às 7h) para me parabenizar por esse dia. Foram assim todos esses últimos anos longe de casa.
E como ela tb fora professora, eu aproveitava essa ligação para dizer a ela o quanto me orgulhava de, tb por sua influência, ter escolhido a profissão.
Gosto demais de estar em sala de aula (não quero assim glamourizar a profissão: como todas têm seus altos e baixos, dificuldades, embates etc.) por muito motivos: principalmente porque cada dia com a mesma turma é diferente. Sempre é diferente. E isso não é comum para todo profissional. Na verdade, isso não é nada comum. E para quem não gosta muito de rotina (quase sempre, meu caso), é um prato cheio.
Ser professor é quase sinônimo de estudar. Não há possibilidade de não se ler. Não tem como haver uma aula pronta e acabou. Sempre há um texto para ser lido, uma conceito para ser (re)pensado, uma teoria para ser compreendida.
Ultimamente, tenho ficado até tarde da noite lendo os textos para a aula do dia seguinte. É cansativo dormir às 2h e acordar às 7h, mas não é um peso, porque a cada texto lido existem descobertas. E professor gosta de descobrir.
Lembro-me do meu primeiro dia de aula: Colégio Analice, em Campo Grande, no Rio de Janeiro, uma turma de supletivo. Se meu coração ainda dispara ainda hoje, depois de 20 anos, nos primeiros dias de aula, imaginem no primeiro primeiro dia de aula? Eles ali curiosos me avaliando e eu, apavorado, medindo cada um deles. Detalhe, eu era o terceiro professor de português naquele ano (os demais não aguentaram a turma). Fomos até o final juntos (não foi fácil). Nunca é fácil!
Tenho saudades dos meus professores. Não de todos, é claro, mas alguns me são muito presentes: Terezinha, Aidê, Conceição, Márcia, Elder, Regina, Delnavi, Gustavo, Laplana, Marli, Rosa Herman, Maria Lúcia (a preferida), apenas alguns dos ensinos fundamental e médio que não me escaparam da memória - neste instante. E ainda, Rosa Gens, Cecília, Aparecida Lino (na graduação); Odete Menon, Lígia, Sandmann (mestrado); Bethania e Jussara (doutorado), entre tantos outros nomes esquecidos, mas que presentes na minha formação.
Além desses, alguns colegas nos quais percebo amor pelo que fazem: Rosana, Cida, Ruth, Valdeci, Rita, Bea, Bia, Jaci, Gustavo, Márcia, Vanda, Sandra, Maria Lúcia, Luis, Antônio, Isabel, Clarice, Ciro, Stéphano, Roselene, João, Luciane, Tere, Sani, Ester, Robson, Teresa e tantos outros em tantos lugares pelos quais passei.
É um dia para se comemorar.

3 comentários:

  1. Adorei o seu texto! Penso igualzinho a vc:"ser professor é quase sinônimo de estudar". Isso é uma das coisas de que mais gosto na profissão. Estudar, aprender, reaprender, duvidar...
    Acredito que sua mãe, de onde estiver,está lhe felicitando pelo dia de hoje. Recordar-se do gesto dela é uma prova disso.
    Parabéns pelo nosso dia! Vamos comemorar!!!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Alexandre
    "Ser professor é quase sinônimo de estudar" Lindo!!!
    Obrigada pela homenagem.
    Passo também para agradecer a sua visita ao meu Blog, ofertar-lhe um selinho feito exclusivamente para meus seguidores pelas 30.000 visitas e dizer-lhe meu muito obrigada pelo carinho e amizade.
    Nosso trabalho honesto como blogueiro(a) engrandece o nome do nosso Criador.
    Tenha excelente fim de semana!!!
    Bjs

    ResponderExcluir