segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Entre um encontro e a postagem (texto)

Nesse fim de semana reencontrei dois grandes amigos. Bastante tempo sem contato. Um deles eu ainda "encontrava", vezinquando,  via orkut o outro já contavam 12 anos sem uma única notícia.
Eu os conheci em Curitiba quando do meu mestrado. Éramos bem próximos, mas o trabalho, a vida pessoal, a família, os novos  projetos, a nossa casa, tudo isso vai mudando um pouco a nossa rotina e quando a gente se dá conta (se se dá) estamos vivendo outra vida.
Mas essas mesmas ondas que vão nos levando para outras direções tb nos trazem de volta até a beira da praia. E se estamos com sorte, assim como estávamos, nos (re)encontramos. Colocamos quase tudo em dia. Foi muito bom!
Não é exatamente sobre esse reencontro o motivo desse post, ainda que ele me tenha inspirado, de alguma maneira. Mesmo que possa não parecer que tenha alguma relação entre o encontro e o que vou escrever.
Fiquei hoje o dia inteiro lendo textos de alunos (orientandos), textos da pós-graduação e relatórios de iniciação científica. Nos intervalos dessas leituras e observações que eu fazia nesse material (a parada para um chá, o telefone que tocava, a hora do almoço, a instalação de um novo computador, a configuração da nova impressora) eu me pegava com um pensamente recorrente: a alegria de não parecer a idade que se tem.
Não consegui me lembrar de onde surgiu essa ideia insistente, mas, creio, agora aqui pensando sobre esse pensamento, que ele tenha aparecido por conta dessa percepção in loco do tempo que se foi.
Por que tenho tanto medo de envelhecer? Talvez porque a velhice seja (é claro que estou pensando numa vida que ultrapasse todas as  suas fases canônicas) a última etapa de nossas vidas e pensar que se morre sem saber verdadeiramente o que acontece depois não é nada tranquilo, pelo menos pra mim.
Talvez (sempre há muitas possibilidades, e na ausência do Paulo Fernando para me ajudar aqui com essas preocupações, tenho que me virar sozinho mesmo) porque envelhecer seja perder algumas coisas e não lido muito bem com isso (alguém lida?) Perde-se (é esse o verbo, deixar de ter alguma coisa que se tinha, de certa forma, importante, porque se assim não o fosse, não se perdia) a juventude num mundo em que ela é extremamente valorizada. E por mais que se diga não se afetar pelo senso comum...estou eu aqui pensando que ter 40e muitos e não aparentar é um privilégio.
E fiquei pensando ainda nos recorrentes reforços dessa juventude eterna: num espírito jovem, na boa aparência, naquela alegria juvenil como se fosse uma obrigação ter 50, 60, 70 e poucos anos, mas manter-se inatingível pelo tempo.
Não tenho mais trinta. E como é difícil atravessar essa barreira. Queria muito me ver como eu sou e poder ser quem sou sem me preocupar mais do que eu devia (tá aí outro problema, a medida da preocupação) com o que eu não devia me preocupar. Não quero ter espírito jovem nenhum, quero ter o espírito que me cabe com o que eu sou e fui acumulando durante esses anos todos.
Não quero e nem preciso ser um senhor moderno daqueles que ninguém é capaz de dizer a idade que tem porque virou um intervalo entre os 30 e os 60. Quero ser um senhor_senhor que saiba aonde possa ir, o que vestir, ter uma boa saúde a medida do possível sem as obrigações de ser eternamente jovem. Não terei nunca mais 30, nem 40, nem 45 pra sempre, assim como não terei 50, 60  por um período maior do que 365 dias. E viva a idade que se tem!!!

Um comentário:

  1. Quer um conselho? Esqueça tudo isso e procure viver bem consigo mesmo cada dia. Esse negócio de tempo é uma invenção humana para ordenação das coisas. Não se deixe levar por essa ideologia tão marcante de nossa sociedade que é o culto ao novo. Veja o outro lado: pessoas velhas são pessoas que acumulam experiências de vida. E ela é feita de perdas e ganhos. O grande barato é viver e ficar cada vez mais à vontade no mundo. Só precisamos ter cuidado para o nosso corpo não se deteriorar e viva a velhice!!! Viva a sabedoria que só os anos nos concede. Envelhecer é ficar cada vez mais à vontade no mundo. Caso contrário, é um fardo.
    Abraço.

    ResponderExcluir