quinta-feira, 10 de março de 2011

Cacá, Dadvânia, sombrinha, Santo Antônio de Lisboa, carnaval, fim de festa (texto)

O carnaval acabou. Foram 5 dias de festa, praia, sol e amigos por perto. Florianópolis é uma cidade especial. Além das praias lindas, o clima  friendely, a sorte de conviver com o Cacá (ligado nos 220w  assim que acordava e nos 680w no final do dia) e tantos outros amigos numa mesma casa. 
O clima por lá não era nada familiar, quer dizer, apenas o café da manhã lembrava uma casa, digamos, mais conservadora. Os horários tb não eram nada católicos, as refeições inexistiam, mas a caipiroska batia ponto todos os dias.
Conviver com 8 pessoas num mesmo espaço tem lá as suas desvantagens, todos nós sabemos que dividir banheiro e quarto não é fácil, mas em se tratando de 9 pessoas movidas pela vontade de se divertir, o clima não esquentou em nenhum momento dentro de casa. Bem ao contrário, enquanto um comprava os pães para o café, o outro colocava a mesa. E assim fomos nos (des)organizando durante o carnaval.
O melhor de tudo é sempre o riso fácil. E isso esteve sempre presente. Dadvânia, quando aparecia, não nos deixava sem uma boa gargalhada. 
Cacá, pra variar, roubou a cena: suas tiradas filosóficas, sua sombrinha inseparável, suas filhas (Jaqueline e Comprida) levando a culpa por tudo nos divertiam o tempo todo. A Tia, a Paula Poste tb deram o ar da graça.
O bom da festa na Ilha da Magia sempre é a praia, o local de confraternização. Frequento Floripa desde 2000 (e vai é tempo) e a cada ano sempre acho o carnaval melhor.
Neste ano, conheci um pedaço especial da ilha: Santo Antônio de Lisboa. Vontade de morar por lá. Me lembrou Parati, no Rio de Janeiro, consideradas as proporções. Um bom peixe como prato principal, o camarão como entrada num restaurante na beira da praia. Alguém precisa de mais alguma coisa?

Nenhum comentário:

Postar um comentário