segunda-feira, 28 de março de 2011

O que nos revelam as palavras (texto)

Estou ainda atravessando a crise de falta do que escrever, por isso recorri aos amigos que por aqui passam para alguma sugestão sobre um tema. A Rosa da Rosa deu várias sugestões. 
Dentre elas me foi sugerido escrever sobre as  palavras que se tornam cafonas, datadas demais. E aí fiquei pensando, sobretudo, nas gírias. Todas as palavras têm algum registro de sua história: quando foram dicionarizadas, quando receberam sentidos novos, quando deixaram de fazer parte do vacabulário mais formal, quando migraram de classe social etc.
Basta consultar um dicionário qualquer para saber, por exemplo, quando uma palavra passa a ser dicionarizada, além é claro, da sua etimologia (estudo da origem e da evolução das palavras). A palavra heterossexualidade, por exemplo, no dicionário eletrônico Houaiss, aparece com a datação do século XX. Palavra relativamente nova se pensarmos na história da língua portguesa.
Mas é claro que quando usamos determinadas palavras não ficamos pensando em sua origem, formação etc. Elas quando nos são conhecidas, fluem com muita naturalizadade das nossas bocas.
As gírias tb, como todas as outras palavras, são datadas. E ao contrário do que muita gente pensa, não são apenas os mais novos que fazem uso delas. Nós todos utilizamos em algum momento uma ou outra.
Não podemos, portanto, perder de vista que essas palavras revelam muito mais do que a gente se dá conta. Vamos ver por que.
Não dá para imaginar, hoje em dia, um adolescente chamando uma menina bonita que passa de brotinho. Muito menos outra adolescente chamando de pão um homem bonito que se vê por aí. Isso quer dizer que quem usa pão e brotinho, por exemplo, está  revelando qual a sua faixa etária. 
O mesmo acontece quando se usam: putz grila, pintei, papo firme, mora, saquei, pagar mico, pombas, uva, pra frentex, chuchu beleza, bocomoco, batata, amigo da onça, beleza pura, caranga, mandar brasa, parada dura.
E tb quando se ouve: tipo assim, ficar, caraca, fui, sequelado, gorfei, gramei, ganso, balada, meter o pé, abraça, veneno etc. Também revelam a idade de quem as enunciam.
As gírias têm tb outras características. Elas muitas das vezes fazem parte de certos grupos bem específicos. Os gays, por exemplo, usam expressões próprias entre si, para, dentre outras coisas, afirmar a sua identidade, brincar, falar para que os não-iniciados não  os compreendam: odara, nena, neca, mona, edí, acué etc. 
As patricinhas, os skatistas, os surfistas, os jogadores de futebol, todos eles têm gírias próprias para a comunicação.
As finas que gostam sempre de uma palavrinha em inglês para dá um up ou não ficar out na fita.
O que não podemos perder de vista é que as gírias quando usadas em excesso restringem muito o poder de comunicação. Nem todo mundo é um Fashion-victim em se tratando da gíria mais atual.

2 comentários:

  1. Puxa! Estou lisonjeada, a postagem ficou supimpa, ops! (Risos) Valeu, adorei!

    ResponderExcluir
  2. muito legal mesmo a postagem!
    boa tarde!

    ResponderExcluir