terça-feira, 31 de maio de 2011

Ainda sobre o kit anti-homofobia (texto)

A Presidenta vetou a distribuição do kit anti-homofobia alegando que o governo não fará propaganda de nenhuma orientação sexual. Preciso concordar com ela. Não é mesmo atribuição de nenhum governo fazer apologia, propaganda de quaisquer que sejam as orientações sexuais. Estamos em acordo.
Não cabe ao Estado esse tipo de obrigação. O que cabe ao Estado é defender os direitos de seus cidadãos. Tratá-los de forma igual. Sem distinção. Inclusive, no artigo 5º do Direito Constitucional (Constituição Federal do Brasil) está escrito: Art. 5o Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:...
Cabe tb ao Estado, assim eu penso, cumprir a Lei. E o fato da não distribuição do kit, em princípio, não a viola. No entanto, o motivo, ou os motivos que levaram a Presidenta a vetar a distribuição foi, até onde sei, um acordo com alguns representantes da bancada evangélica da Câmara dos Deputados.
E se isso procede, a Lei não foi descumprida. Porque em nome de determinada religião, determinado ponto de vista, alheio à vontade de TODOS os brasileiros, a decisão da Presidenta prejudica, de certa forma, uma parcela desta sociedade. Eu poderia escrever aqui sobre os 260 assassinatos de LGBT´s ocorridos no Brasil no ano passado, mas nao vou. Poderia tb, seu eu quisesse, escrever sobre a quantidade de crianças e adolescentes que sofrem por conta de suas orientações sexuais. De pessoas que são infelizes por isso. Das que se matam por conta apenas de sentir desejo por alguém do mesmo sexo. Mas tb nao vou.
Entendo por Estado Laico, aquele que não professa alguma religião, mas que garante que todas elas possam coexistir sem que as religiões possam interferir no funcionamento dele.
 A religião, nesse caso, está interferindo na forma como a presidência lida com questões de orientação sexual. Será que ela perguntaria a uma bancada racista como lidar com os negros? Será  que ela se dirigiria a uma bancada machista para tratar de questões que dizem respeitos às mulheres? Será que ela se aconselharia com pedófilos para tratar de assuntos que tivessem relação com a penalização de crimes sexuais contra crianças? Não, né?
Portanto, não consigo entender o por quê de se aconselhar com os avangélicos sobre a homofobia. Eles são, quase sempre, homofóbicos, não sabem respeitar nenhuma diversidade (basta relembrar o que aconteceu a pouco tempo com alguns recintos que professavam religiões africanas; os tratamentos que são oferecidos para curar homossexuais).

2 comentários:

  1. A proibição da distribuição do kit foi fruto de barganha e não um mero aconselhamento de que seria melhor para as crianças e jovens. Infelizmente, o jogo é assim!!! A democracia tem dessa coisas!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Mesmo assim não concordo com o kit anti-homofobia. Se houve realmente essa influência decisiva, sinto pela nossa democracia. Não concordo com a intolerância religiosa pregada por pessoas ditas religiosas; e tenho certeza que não existirá cicatrizes sem lutarmos pela nossa Educação.Sem ela, será o nosso fim.

    Até.

    ResponderExcluir