quarta-feira, 11 de maio de 2011

Da Série Contos Mínimos


Dia desses, me mudei para uma cidadezinha muito fria do interior de um estado do sul do meu país. Lá, além desse frio imenso e de uma forte neblina que toma as ruas da cidade, pela manhã avisto, da janela do meu escritório, uma pequena casa de madeira em que uma velha senhora, apesar de todo esse frio e de toda aquela neblina que toma as ruas dessa pequena cidade, sai, a cada manhã, com um balde em punho molhando as plantinhas de um quintal baldio atrás dessa tal casa de madeira. Um cheiro de terra molhada invade a minha lembrança. Meu coração fica do tamanho da cidade, cheio até a boca da saudade que sinto do cheiro de minha terra. Por aqui um cheiro de mato toma conta no fim dos dias de parte de minha casa. Um exílio de aromas que meu olfato não recordava. Lá o cheio é outro: são buzinas, são cores, são pessoas que invadem essa memória olfativa.

Um comentário:

  1. lindo lindo lindo...sem duvida um dos teus mais belos momentos, máximo! adorei! bjs meus

    ResponderExcluir