segunda-feira, 9 de maio de 2011

Quando a vida pública para na privada (texto)

O ator Fábio Assunção em entrevista a resvista TRIP deste mês deu declarações sobre a impossibilidade de hoje em dia se ter privacidade. Segundo ele, questões que não dizem respeito ao público, tais como, percentual de gordura, separações, doenças, acidentes passam a ser mais importantes do que a arte: 
- Uma coisa é você se colocar dentro da sua obra, se tornando parte dela. Outra é a sua vida ser colocada sobre sua obra, tomando conta dela. Esse limite hoje em dia está mal delineado. Casamentos, separações, doenças, acidentes, declarações, agressões, percentual de gordura, tudo é mais importante do que aquilo que se produz - disse ele, que completou. -  Me refiro ao fato de que hoje nem gordo você pode mais ser livremente.

Não deve mesmo ser agradável se ver estampado em capas de revistas, sendo cunsumido como um produto sem que, nesse consumo, haja quaisquer referências a seu trablho.
Não há limite entre o que possa interessar em relação à vida privada e a pública, porque tudo se vende. Tudo virou produto de consumo. E há as justificativas em torno disso, se fulano de tal expõe publicamente a sua vida privada, por que não noticiar essa exposição?
Além disso, uma parte dos artistas se vende com o propósito de ocupar esses espaços na mídia: a máxima quanto mais se vê mais lembrado parece alimentar esse tipo de mídia.
Sem falar nas assessorias de imprensa que enviam às revistas/jornais notas sobre essas (des)informações porque sobrevivem disso.


- Nossas pálpebras ainda que fechadas não conseguem mais deixar de ver aquilo que não se quer ver. Elas estão perdendo a função de limitar a fronteira do privado. Aliás, o privado está em extinção. Mas os homens não.

Não é raro programas diários comentado a roupa, a ida à praia,  o novo namorado, a traição, a saída à noite, a bofetada, os metros que devem separar determinados ex-casais. Enfim, nem se pode ser feliz ou, principalmente, sofrer em paz. 

Um comentário:

  1. É que quando eu me ocupo de olhar o outro, esqueço de olhar para mim mesmo, sem me lembrar de que quando se aponta um dedo em riste, três me apontam de volta.

    Infelizmente, é muito comum hoje em dia, fazer a vida alheia um circo.

    beijos meu amigo S A U D A D E S

    ResponderExcluir