sábado, 26 de novembro de 2011

Era tanta saudade que (texto)

Hoje, entre as minhas visitas recentes aqui do blog, vi o nome de um grande e velho amigo, Ricardo Damasceno. Foi como se o tivesse encontrado para uma conversa. Faz tempo que a gente não se vê, faz muito tempo que a gente sequer senta para um bate-papo.
Fiquei me lembrando, aqui, do tanto de tempo que somos amigos, do quanto nos conhecemos. 
Estudamos juntos na primeira série do ensino fundamental (dia desses tentei me lembrar do nome de nossa professora e não consegui), depois nos encontramos em outras tantas séries.
Continuamos amigos na adolescência, e seguimos com nossa amizade tb na vida adulta. Cara, que saudade de vc! Saudade das conversas jogadas fora, dos encontros lá em casa para ouvir música, rir, falar sobre qualquer coisa. Quanto tempo, hein?! Muito tempo mesmo. Ainda que a saudade tenha transbordado em mim, não fico triste por isso. Ao contrário, apenas me orgulho do tanto que gosto de vc
Os cariocas têm fama de marcar encontros que nunca acontecem, mas não é por falta de vontade, acho que por falta de oportunidade. E falamos, vamos nos ver?! Vamos tomar uma cerveja dia desses! Me liga. E, não nos falamos, não tomamos a tal cerveja e não nos ligamos (muitas das vezes nem temos o telefone do amigo). Mas temos a vontade. Eu sei disso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário