segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Da Série Contos Mínimos

Não entendiam, sobretudo ele, para onde teria ido tanto amor. Havia promessa de para toda vida. Foram tantos planos: casa, filhos, cachorro, saudades. 
Talvez fosse preciso um tempo maior para descobrir que o amor continuava por ali, no fundo do armário, na posta-restante. Eis aí o amor, brincando de esconde-esconde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quando ir embora?

Saber partir não é fácil, sobretudo quando o coração da gente insiste em querer ficar. S empre é uma decisão complicada porque há um confli...