segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A relação entre Literatura e Identidade na ficção contemporânea, principalmente nos países de recente passado colonial (texto)

Escritores de sociedades pós-coloniais tiveram em geral uma educação muito mais internacional e cosmopolita, se comparado com sistemas educacionais mais restritos e nacionais. Em Bombaim, eu estudava numa escola jesuíta espanhola. Tínhamos manuais que vinham da Inglaterra e dos EUA. Aprendíamos não somente a geografia da Índia, mas tb da Grã-Betenha, por causa do colonialismo braitânico - embora eu tenha frequentado a escola depois da independência. Estudávamos a América Latina, aprendíamos a literatura de diferentes partes do mundo. Nós sabíamos que os abusos do nacionalismo se referem ao fechamento, a estreitar a janela. Mas as pessoas em sociedades pós-coloniais experimentaram a ampla e aberta janela do mundo, embora fossem muitas vezes os desgraçados da terra. Vc vê o paradoxo? Um dos primeiros líderes políticos dos intocáveis na Índia escreveu um livro sobre a escravidão de sua casta. Ele dedicou a obra aos negros americanos. Era alguém que nunca tinha saído da Índia àquela época, a sua base era uma aldeia do interior. Para ele, a fronteira nacional não possuía a metade da importância, em sua própria língua vernacular, da extensão cosmopolita  do mundo. Por  isso chamo de cosmopolitismo vernacular. A literatura sempre rompeu com os limites nacionais. São muito poucas obras da literatura que seguem uma perspectiva estritamente patriótica. Não nego que existam algumas. Mas as obras mais interessantes, mesmo com perspectiva nacional, têm a ver com contradições e disjunções da nação. As obras literárias que só recitam um credo nacional não têm nenhum interesse. Só interessam a políticos tiranos. Ditadores adoram obras assim.

Homi Bhabha, entrevista concedida ao Jornal O Globo, caderno Prosa e Verso em 14 de janeiro de 2012.

Um comentário:

  1. Por isso é complicado ver em alguns livros didáticos autores insistindo em atribuir alguma função ao texto literário... Ele existe simplesmente para emocionar, entreter e fazer viajar...

    ResponderExcluir