segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Elizeth Cardoso

Ontem, fiquei, quase que o dia inteiro, enquanto trabalhava, enquanto comia, enquanto entrava e saía de sites diversos, ouvindo Elizeth Cardoso. Pra mim, senão a melhor, uma das melhores vozes que a música brasileira (MPB) já teve e soma-se a isso (porque voz não é tudo - vide diversas cantoras ótimas que estragam a voz em virtude de um repertório) uma seleção irretocável de músicas e compositores de importância ímpar para a memória da MPB.
Conheci a Divina, era dessa forma que se referiam a ela, através da minha mãe. Na verdade, todas as cantoras contemporâneas à Elizeth Cardoso e as anteriores me foram apresentadas pela minha mãe (eu poderia citar, desconfiando sempre da minha memória, Marlene, Ademilde Fonseca, Emilinha, Ângela Maria, Dalva de Oliveira, Dolores Duran, Carmem e Aurora Miranda, Nora Ney, Maísa, Carmélia Alves, Zezé Gonzaga, Ellen de Lima, Alaíde Costa, entre tantas outras). Considero esta uma herança riquíssima em se tratando de cultura brasileira e de audição musical, porque, sem dúvida, essas vozes e seus repertórios me fizeram (re)conhecer mais e melhor a nossa língua e a nossa história.
E é claro que depois disso procurei outras cantoras, mais músicas, novos compositores porque investi muito nesse aspecto. 
Tenho aqui comigo em Cascavel, no Rio tenho ainda outros tantos, três CDs prá lá de perfeitos de Elizeth: Canção do Amor demais (1958), Todo sentimento (1989) e Ary Amoroso (1990). Prefiro o que ela divide com Rafael Rabello, Todo o sentimento,  porque "faixineira das canções" (de Joyce), "Camarim" (de Cartola/Hermínio Bello de Carvalho) e "Refém da solidão" (de Baden Powell/Paulo César Pinheiro) que abrem o disco me emocionam até aquele fio de cabelo que faz muito não tenho mais.
Além dessas, "Doce de coco" (de Jacob do Bandolim/Hermínio Bello de Carvalho), "Violão" (de Vitório Junior/Wilson Ferreira) e "Janelas abertas" (de Tom Jobim/Vinícius de Moraes) tocam fundo na alma de quem gosta de música.
As interpretações de Elizeth não são datadas. Parece que ela se reinventou e não perdeu, como tantas, infelizmente, o feeling musical.
Ouvi-la é ouvir tb a minha mãe cantando em casa. Tenho uma foto da minha mãe em um show de Elizeth no falecido Canecão (foi durante muitos anos a maior e melhor casa de espetáculos do Rio de Janeiro). 
Ontem, portanto, foi um dia de boas lembranças. Quem canta...encanta...os males espanta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário