sábado, 8 de setembro de 2012

O problema é a língua

Cheguei pela manhã em Portugal, mais precisamente na cidade do Porto, depois de muitas horas longe de casa. Morar longe dos grandes centros (principalmente, do Rio ou de São Paulo, não nessa ordem, dificulta a vida, em certas circunstâncias).
Saí de casa às 10h45 da manhã rumo a Foz do Iguaçu, viajei para o Rio e do Rio para o Porto, depois de doze horas (o total da viagem) finalmente desço no aeroporto internacional Francisco de Sá Carneiro, carinhosamente conhecido como o Aeroporto do Porto.
Não me demorei na imigração: algumas perguntas sobre até quanto eu estarei por aqui, o que vim fazer, onde ficaria hospedado e passagem liberada. A mala tb não demorou. Entrei num táxi e em pouco tempo estava no hotel reservado.
Do aeroporto até o hotel a minha impressão era a de que eu não estava no Portugal imaginado por mim: será que era mesmo Portugal? Poderia ser qualquer cidade nova e moderna com letreiros em português.
O que demorou mesmo foi o quarto ser liberado para eu finalmente tomar um banho e me deitar por uns instantes até decididr que seria melhor sair, dar uma volta e almoçar para não ficar acordado à noite. Assim o fiz.
É claro que a última coisa que eu iria fazer era entrar num ônibus, táxi ou metrô para chegar ao centro, aí sim reconheci "a cidade do Porto, conhecida como a Cidade Invicta. É a cidade que deu o nome a Portugal – desde muito cedo (c. 200 a.C.), quando se designava de Portus Cale, vindo mais tarde a tornar-se a capital do Condado Portugalense. É ainda uma cidade conhecida mundialmente pelo seu vinho, pelas suas pontes e arquitetura contemporânea e antiga, o seu centro histórico, classificado como Patrimônio Mundial pela UNESCO".
Lindo demais! Organizado, limpo, surpreendente. O centro estava tomado de pessoas de toda a parte, ouvi, nas ruas, francês, italiano, muito português do Brasil, espanhol, inglês e outros sons não-identificáveis.
Ah, desde que saí do hotel ouvi e vi as gaivotas sobrevoando os ceus. Depois de muitas horas caminhando, finalmente me deparei com o Rio Douro (que corta a cidade): águas mansas e pontes imensas. Essa região me pareceu a mais movimentada: muitos restaurantes com mesinhas nas ruas, lojinhas para sem comprar lembranças, e muitas escadas para muitas ruelas. Tudo lindo demais.
Achei fácil andar pela cidade. Voltei ao hotel sem perguntar a ninguém como fazer (na verdade, perguntei apenas como chegar ao Mercado São Sebastião) porque euhavia me metido por tantas ruas e escadas que já nao sabia ao certo aonde estava.
Por hoje é só. Tô bem cansado. São 21h33 e eui preciso finalmente dormir. Vou postar apenas uma foto porque a internet é lentíssima. Até amanhã com mais Porto.

Um comentário:

  1. Ah muito phino na Europa ehehehe
    Um bom passeio para você ai em Portugal!!!

    ResponderExcluir