quarta-feira, 5 de junho de 2013

Da Série Contos mínimos

Morri. E como se morre sozinho, encontraram-me três dias depois, em casa. Possivelmente, após diversas ligações no celular, de muito recado na secretária eletrônica e  de insistentes batidas da porta do meu pequeno apartamento, no Centro da Cidade. Alguns e outros disseram, acho, que fui visto no último sábado. Que andava como se fosse viver para sempre. Assim como a gente faz todos os dias sem pensar que ali seria um dia derradeiro. Minhas coisas foram distribuídas, algumas descartadas. E não podia ser diferente. Era assim que deveria ser. No outro dia,  o sol nasceu como sempre fazia. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário