domingo, 23 de junho de 2013

Da Série Contos Mínimos

A impressão era a de que tudo era pela última vez: o café com leite, a música no rádio, a voz no telefone. Ficava horas pensando no que não mais poderia fazer. Sentia saudade. As vezes parecia acordar e mais adiante mergulhava profundamente no mesmo lago.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Livro do desassossego, uma história curta para não dormir

Sempre que eu ouço o disco "A música em pessoa" e mesmo deslembrado dele começo pelo início, paro como se não houvesse nada alé...