domingo, 15 de dezembro de 2013

Nunca mais consigo ser a mesma pessoa

Hoje, me mandaram um vídeo de dois homens gays sendo espancados com pedaços de madeira até a morte. Esse horror aconteceu diante de alguns policiais e de muita gente. Foram as cenas mais violentas que consegui ver na minha vida. Fiquei, ainda estou, em choque com o que vi.
Sei de muita violência, sei de coisas terríveis que acontecem mundo afora. Sei do que o homem é capaz. Sei que se mata por qualquer coisa. Sei que as pessoas são tomadas por um ódio e em nome dele fazem coisas inacreditáveis, mas nunca tinha visto cenas tão chocantes.
É claro que não vi todo o vídeo, porque não tive estômago para tanto. Não gosto nem que me contem essas coisas, porque fico imaginando a situação. Sei, é claro, que não querer saber não muda absolutamente nada, mas eu sofro menos. E me projeto sim dessa violência sobre a qual eu nada posso fazer.
Depois que eu voltei para a minha casa (eu, depois de ver o vídeo, saí para dar uma volta para ver se conseguia tirá-lo da minha cabeça), procurei na internet informações sobre ele (Two gay men beaten to death with lumps of wood) porque não queria acreditar que aquilo era verdade, por isso descobri que aquelas cenas terríveis se passavam em Kiambu, que fica no Quênia, e que, infelizmente, o vídeo era verdadeiro.
Há controvérsias sobre o que motivou o espancamento dos homens,  em alguns comentários dizem que eles eram ladrões e noutros que morreram por ser homossexuais. Mas todos os que comentaram o vídeo mostravam-se horrorizados, assim como eu me senti. As postagens estavam em inglês e o meu inglês não me permite compreender tudo o que se escreve, mas consegui ler o suficiente para saber que aquilo também deixara outras pessoas, ao redor do mundo, tão chocadas quanto eu ("I dont need to see the visual of such gruesome violence or force it upon my friends. The story is awful enough. Questioning the need to view brutal killings doesn't make me any less comitted to equal rights.").
Acho que nunca mais consigo ser a mesma pessoas depois dessas cenas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário