quarta-feira, 7 de maio de 2014

A campanha está no NOIR.

Bem, alguns estão discutindo, no Brasil, se pode ou não propaganda eleitoral antes de 19 de agosto de 2014. Não pode, segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Haverá multa, subtração do tempo durante a campanha, além de outras punições previstas em lei.
No entanto, a campanha à presidência da república está no ar faz algum tempo. Basta abrir os jornais, as páginas dos jornais na internet, assistir aos telejornais brasileiros para ver explicitamente a campanha a todo vapor.
Não há um dia sequer que a página do G1 não traga alguma notícia, em destaque, sobre problemas no governo federal. Não há um dia sem referência à CPI da Petrobrás. Um dia sem que algum político do PT envolvido no #MensalãodoPT (isso virou marca registrada) não seja mencionado. Não há um dia sem que haja incursões explícitas às mazelas do Estado Petista, seja federal ou estadual, quando esse ocupa o governo.
Vi, dia desses, no JN uma mostra absurda de referência ao PT. William Bonner e Patrícia Poeta, apresentadores do jornal, fazendo questão de evidenciar a sigla PT quando se tratava de notícia negativa e PSDB quando positiva (isso é mesmo redundante, porque só é veiculado matérias negativas sobre a sigla PT e positivas em relação à sigla PSDB).
Bem, não estou querendo dizer que não haja problemas nos governos Federal e Estaduais. Há. Tenho muitas reclamações para fazer. E acho que eles devem ser apurados e tb socializados. O que estou querendo discutir é se há ou não campanha disfarçada de notícia, nos meios de comunicação.
Vou abrir agora, dia 07 de maio, às 17h25, horário em Portugal, o site do G1 e veja o que encontro: Em primeiro plano, a escalação dos jogadores da seleção brasileira (em verde); abaixo, em vermelho, as seguintes manchetes: 'Não está tudo bem', diz Dilma sobre a inflação. E ainda, IBGE: produção industrial recua 5% em março.
Abri a primeira matéria e não há qualquer fala da presidenta sobre esse 'Não está tudo bem' em relação à inflação. Acompanhe o trecho:

A economia brasileira dominou boa parte da conversa, e Dilma disse haver uma "má vontade tremenda" nas análises do país. Para a presidente, "a inflação está sob controle, mas não está tudo bem". Ela diz que a sensação de "mal estar" em relação aos preços se explica pela diferença de taxa de crescimento dos bens com a taxa de crescimento dos serviços. 
(http://g1.globo.com/politica/noticia/2014/05/o-brasil-nao-vai-explodir-em-2015-vai-e-bombar-diz-dilma.html)

Ou seja, a manchete produz um efeito de reforço negativo, pela própria presidenta, sobre a economia do país quando, ao contrário, ela afirma que O Brasil vai Bombar em 2015Mas isso só pode ser percebido quando se entra na matéria. O 'Não está tudo bem" diz respeito à "Má vontade tremenda nas análises sobre o país" e não sobre à inflação.
Vou continua daqui acompanhando alguns dos meios de comunicação para depois escrever sobre isso. 
O que vocês acham?

Nenhum comentário:

Postar um comentário