segunda-feira, 19 de maio de 2014

Pensando, pensando

Tava aqui pensando, pensando, antes de começar a escrever um artigo que precisa ser escrito, nesses meses todos aqui em Portugal (são 8 meses longe do Brasil).
Nunca havia pensando em ficar tanto tempo longe de casa (e casa aqui pode/deve ter o sentido de casa, propriamente dita, mas tb da cidade que escolhi para trabalhar e, consequentemente, para viver, Cascavel e o meu país).
Me sinto, hoje, um pouco mais tranquilo, não menos saudoso, mas mais calmo com a ideia de estar longe. Acho que muito da minha angústia nesses meses era por conta de não saber como seria a conclusão desse estágio de pós-doutorado. Continuo não sabendo, mas tb estou menos preocupado com isso: preciso fazer o que prometi e vou fazer porque é para isso que estou aqui.
Engraçado como me dei conta agora depois de escrever a palavra "estágio". Eu estou fazendo mesmo um estágio aqui em Portugal, um estágio na Universidade de Coimbra, já que o meu vínculo com ela passa pelo vínculo com a minha supervisora. É um estágio. Bem, vamos adiante.
Morar fora não é para todos. Eu tenho muitas dúvidas se eu deveria mesmo ter feito esta escolha. Há aí um narcisismo em conseguir um bolsa concorrida, há tb uma certa imagem de competência que se quer construir, há um respeito que se quer para si, há tantas coisas em torno dessa viagem que talvez eu não soubesse até chegar aqui. Há tb questões pessoais (não que as profissionais tb não sejam pessoais. São, certamente).
Não estou fazendo um balanço desses oito meses. Não mesmo, até porque escrevo para organizar melhor o que eu penso sobre isso, como estaria falando para me ouvir melhor tb a esse respeito (mas na impossibilidade de falar, eu escrevo).
A impressão que tenho é de que não faria isso outra vez. Não, pelo menos, para ficar um ano fora. Um ano é muito tempo. Tb não sei se menos seria suficiente para entender o que é estar longe de casa.
O que sinto mais falta por aqui é a de encontrar por aí meus amigos. Fui ficando menos sociável por aqui. Pouca coisa me interessa. Pouca gente me interessa.
Eu ando por Lisboa como se estivesse em Cascavel, há lugares por onde nunca passei (lá e cá), mas eu tenho uma certa noção de espaço e direção. Bastam algumas quadras para me encontrar novamente.
Eu estava muito enclausurado, ultimamente. Pouco saía de casa. Faltava vontade. De repente eu percebi que estava ficando triste demais com isso (eu estou numa fase de escrever, e para isso a gente precisa estar mais concentrado e não se concentra andando por aí). Mas, de qualquer forma, eu tenho tido outra vez vontade de sair pela cidade e conhecer os lugares ainda desconhecidos.
Não vou reler o que escrevi. Vou deixa exatamente como está para mais tarde ver o que ando pensando sobre esses dias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário