domingo, 10 de agosto de 2014

Era essa a minha intenção.

Minha mãe foi excelente: trabalhava muito porque sozinha precisava dar conta de todas as obrigações. Era carinhosa, educada, ética. Me ensinou a incluir as pessoas. Bem. Ela foi uma mãe maravilhosa, mas não soube ser pai e mãe, como ouço muita gente falar por aí quando tem apenas um dos dois presentes.
Certa vez, numa sessão de análise, o psicanalista me perguntou, não me lembro qual era a situação... o que eu achava que seria a função de um pai? Eu não soube responder e é claro que aquele silêncio dizia muito sobre mim: não sabia o que era ser pai. Não sabia qual a função de um pai numa família.
Aí, conversei com um grande amigo, o Erik, e pergunte para ele como era essa história de ter um pai presente. Ele me respondeu que o pai dele estava presente quando a mãe não estava e que o pai o ensinou muitas coisas. Era função do pai dele, por exemplo, conversar sobre alguns assuntos. O seu pai foi quem lhe ensinou a andar de bicicleta. Era função dele cobrar-lhe algumas decisões. Ele o incentivava diante de algumas situações, aconselhava diante de outras, colocava dúvidas para que ele pensasse a respeito de algumas outras.
Passei toda a minha infância sem uma presença masculina em casa. Minha mãe tinha amigos e acho que eles se alternavam para dar uma força. Ah, tinham os meus tios, irmãos da minha mãe. Alguns eram muito presentes: as tios Carlinhos, Eduardo e Jorge estavam sempre por perto ou eu por perto deles.
Até que minha mãe se casou outra vez. Não foi fácil ter um padrasto. Eu achava sempre que minha mãe estava me deixando de lado por conta do namorado. Infernizei a vida dele por um bom tempo e ele a minha, mas acabamos por nos entender: nunca tivemos uma relação de pai e filho, mas posso dizer que somos amigos. Aprendi a conviver com ele e ele comigo. Ela é camarada. 
Hoje, liguei, já que é o dia dos pais e ele foi muito atencioso. Não lhe disse feliz dia dos pais! Mas era essa a minha intenção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário