terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Como uma boa lembrança

Bem, hoje remexendo nas minhas coisas, aqui no Rio, encontro  6 cartas antigas. 3 delas da minha mãe. Todas de 1999. Não foi fácil lê-las. É um turbilhão de lembranças e sentimentos misturados que me levam pra muitos lugares, nem todos bons, nem todos fáceis de rememorar ou de estar.
De toda forma, foi muito bom poder reler essas cartas (mesmo me transbordando) e me lembrar de coisas que estavam acontecendo à época. 
Minha mãe estava sempre preocupada, querendo saber se eu tinha grana, se eu estava me alimentando bem, como estava o trabalho, quando eu voltava para o Rio etc. (assim como a maioria das mães o fazem). Em uma delas, ela sugere que eu largue as aulas na universidade e volte para as aulas de segundo graus, no Rio, para ficar mais próximo.
Em todas as cartas ela faz referência à conclusão do mestrado. As cartas eram de abril de 1999 e muito provavelmente eu devia tá numa tensão daquelas. Esse período não foi fácil! Eu defendi a dissertação apenas em julho desse ano.
Ela me escrevia muito. E eu tinha todas as cartas até me mudar para o Rio, para o doutorado. Nessa mudança, perdi todas elas (com exceção dessas 3). A esperança é a de que um dia eu as encontre. Sabe-se lá. 
São 3 cartas de abril, dia 09, 15 e 18. Ela me escrevia muito mesmo e era bom demais receber notícias também por escrito. Nos falávamos quase que diariamente por telefone.
Bem, restaram 3 cartas. Duas delas de um ex de Curitiba, que havia voltado para a casa dos seus pais, em Blumenau. Foi tão bacana poder reler essas cartas. Não namoramos por muito tempo, apenas ficamos algumas vezes.
Uma dessas cartas ele me escreveu no dia do meu aniversário: faz exatamente 16 anos. É tempo demais! Eram cartas ora de despedida, ora de amor, ora de saudade. Ela era muito confuso em relação a mim. Era um menino, ele devia ter uns 20 anos. Nunca mais nos vimos. Ele deixou de responder as minhas cartas, eu liguei certa vez para a casa de seus pais e eles me disseram que ele havia ido embora (mais uma vez) e nos perdemos. Tentei encontrá-lo numa rede social, mas ele à época já era tão alternativo que não me surpreende que não participe dessas redes. Bem, a vida tem dessas coisas, e se encontrar e se perder também fazem parte.
A última carta também de um namoradinho de final de semana. Nos conhecemos em Curitiba em algum lugar que agora já não me lembro. Foi um final de semana intenso. Ele estava sozinho e era um cara muito agradável e bonito. Trocamos cartas por um bom tempo. Não me lembro qual o motivo que nos afastou, acho que a minha volta para o Rio em 2004 ou ele ter se casado outra vez, sei lá. Alguma coisa assim. Faz tempo e já não me lembro mais dos detalhes.
Essa carta não foi também fácil de ler. Por motivos bem distintos dos das da minha mãe. Mas ali ele escreve coisas sobre mim que hoje ainda me são caras e presentes. Acho que em certos aspectos não mudei tanto assim como eu pensava e ler aquilo (claro que não vou mencionar aqui já que se tratam de coisas muito pessoais) me tocou.
Mas foi uma boa lembrança e eu o reencontrei numa rede social e enviei um convite de amizade. Fisicamente, estou tão diferente. Ele não. Não sei se ele vai me reconhecer. Vamos ver...
Bem, essas histórias antigas e tão atuais foram muito agradáveis de reviver.  Bom saber que pessoas deixam também boas lembranças em nossas vidas. Tomara que eles se lembrem de mim com carinho. Recontar o passado quase sempre é melhor do que vivê-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário