sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Estamos condenados

Tava, hoje, aqui pensando no tempo em que jurávamos estar juntos para sempre: que estranho isso, querer alguém pra toda vida e de repente aquele amor virar uma outra coisa. É complicado mesmo entendê-lo. Tão complicado que chamamos isso de amizade, carinho, afeição porque ele nem esbarra no que já foi. Ou porque não sabemos que nome atribuir ao desamor. O que é o amor? Pra onde ele vai, quando o amor acaba?
Um dia a gente quer muito alguém e algum tempo depois não quer mais do mesmo jeito. 
Acho que esse amor já vai se transformando a cada dia e a gente não se dá conta, até que ele se transforma e só aí percebemos. É como envelhecer, a gente se olha tanto no espelho que nem nota o tempo que passou, mas basta se deparar com uma fotografia antiga ou com um velho amigo a quem não se vê com frequência para se surpreender com o efeito do tempo. Os amigos de longe envelhecem mais.
Eu não sinto saudade dos nossos dias. De verdade, mas sei que nunca vou esquecê-los. Não dos detalhes, esses não me importam, mas do que eles significam hoje quando os relembro. Eu já quis apagar tudo da minha memória, mas não deu/não dá. Isso fica como um Brilho Eterno. Fica ali sendo recontado (com as lembranças ruins e boas marcando presença acima de todas as outras).
Apagar é impossível. A lembrança, inclusive, é uma das facetas do amor. O que seria de nós sem ela? Ela é o que nos amarra ao passado. A gente supera o amor, mas deslembrar não dá mesmo.
Não quero ser seu amigo, não quero fazer parte da sua vida presente, mas faço parte da sua vida assim como você faz da minha e pronto. Basta alguém me perguntar sobre as coisas do amor e você estará ali como um fantasma rondando minhas lembranças, assim como estarei na lembrança de outros, da sua, com certeza, porque já fomos um do outro e não importará, mesmo que, depois de tudo, tenho "ela" partido, casado, mudado, sumido, esquecido ou que quer que haja feito, em suma? Diria-me o poeta: tiveste uma parte da sua vida que foi só tua e esta "ela" jamais poderá passar de ti para ninguém. É um bem inalienável que nos pertencerá pra sempre. Incrível!
Bem, o que passou passou e é daqui pra frente. Agora não somos mais um, somos dois: a sua e a minha vida. Planos separados, outros futuros. O tempo sabe passar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário