quinta-feira, 23 de abril de 2015

A língua, meu amigo, não é transparente.

Resultado de imagem para transparênciaA ideia me parece sempre a mesma: eu falo de um lugar específico, mas naturalizo esse lugar como se ele fosse o mesmo para todos. 
Falo da minha experiência como se ela pudesse/fosse a mesma de todos os outros. "E não é (?)", diriam uns.
Falo em nome de deus, da sociedade, da meritocracia, da oportunidade igual para todos, da família como se tudo isso fosse único e o mesmo pra todo mundo. Porque eu consegui significa necessariamente que quem não consegue fez alguma coisa que não devia.
Bem, a língua nesse caso tem mesmo uma opacidade que a gente não consegue perceber. A língua e os seus sentidos nos parecem tão transparentes e evidentes que não percebemos o lugar que ocupamos nesses embates.

Nenhum comentário:

Postar um comentário