domingo, 10 de maio de 2015

Uma carta para Cláudia

Estou ainda triste com a notícia que você compartilhou na sua página, numa rede social, sobre a morte do seu companheiro. Tentei inutilmente dizer a você, também, via rede, o quanto eu me sentia tocado com aquela história, mas sei que as palavras não soam como gostaríamos que soassem no ouvido do outro, porque elas são porosas de sentido. Eles, os sentidos, vão se refazendo a medida que atravessam de um ouvido ao outro. E sabe-se lá a quantas significam ao chegar do outro lado da ponte.
Bom mesmo é um abraço forte. Um ombro amigo. Olho no olho pra dizer o quanto a gente se sente e pode, se for o caso, ajudar naquilo que for requisitado. Bom mesmo é um aperto de mãos, um sorriso, um olhar de compaixão, mas a distância, nesse momento, me impede de fazê-los.
Bem, o Flávio um dia também foi muito próximo. Trabalhamos durante algum tempo numa mesma escola, no Rio de Janeiro, em Campo Grande. Ele era um homem gentil, bonito, um bom profissional respeitado pelos alunos, pelos professores e gestores daquela escola. Mas a vida vai nos levando para outros caminhos e depois que me mudei para o Paraná nunca mais soube dele. Mais de 20 anos sem notícias. Até me esbarrar com uma foto postada por você e depois disso aquela sensação de que ele me era familiar. 
A gente muda fisicamente, muda muito a ponto de manter apenas alguns traços físicos do que a gente era. Mas a foto trazia um sorriso que a minha memória não apagou.
Nós, eu e você, Cláudia, um dia também fomos próximos. Me lembro que não éramos muito amigos mas que sempre que nos encontrávamos pelas ruas batíamos um longo papo. Eu tenho por você um grande carinho, ainda que a gente não tenha mantido contatos nesses últimos anos. Você nem se lembrou de mim de cara, quando eu mandei para você a solicitação de amizade. Foram muitos anos longe. Eu fiquei careca, envelheci, estou muito diferente fisicamente do que eu era, mas guardei comigo muito daquilo que sempre fui e tive. Os amigos principalmente.
Você teve sorte e deve por isso agradecer sempre por ter vivido, como você mesma diz, um grande amor. Isso é raro. A gente não encontra todos os dias e em todas as esquinas pessoas especiais. Ao contrário, a gente encontra o fácil, o passageiro, aqueles que numa primeira dificuldade vão embora. E se esquecem de tudo o que aconteceu. A gente encontra os que partem por qualquer motivo.
Uma relação é investimento. Eu sei disso, mas contar com alguém num momento tão frágil das nossas vidas é para ser grato(a) para sempre. E sinto que você é grata ao Flávio também por isso.
Sei, pelo que você escreveu e socializou nas fotografias postadas que vocês tiveram muitos bons momentos juntos. Que viveram dias felizes. E isso é raro, como eu já disse aqui.
Minha querida, as palavras são porosas de sentido, mas elas podem também carregar um abraço forte, daqueles bem apertados e demorados. E eu te envio por aqui um abraço bem apertado daqueles que nos faz sentir de verdade o amor que merecemos. Se eu tivesse por aí certamente ia te procurar para bater um papo e ouvir você.
Um beijo grande e o meu desejo de que seu coração e alma se sintam confortados um dia pela sorte de ter conhecido alguém tão especial. 


Um comentário:

  1. Agradeço as belas palavras sobre o meu amado irmão, pois só agora tive coragem para ler até o fim suas palavras enviadas a Cláudia e saiba que valeu para todos da família que puderam ler. Vai fazer muita falta pela sua generosidade, seu carinho com minha filha(pois quem agrada um filho agrada dez vezes a mãe) e principalmente a cumplicidade que tinha comigo nos momentos em que eu precisava. Obrigada...

    ResponderExcluir