domingo, 29 de maio de 2016

A equação nem sempre funciona

Hoje recebi um solicitação de "amizade" via rede social. Isso não é novidade pra ninguém! Se vc está nessas redes, vira e mexe aparece um pedido desse. 
Bem, olhei para a fotografia e ainda que me parecesse alguém familiar eu não me recordava do nome e muito menos do nome relacionado à cidade em que o solicitante morava. Mas como a cidade era Curitiba, logo o associei a algum amigo de lá. Acontece que os amigos em comuns eram de Cascavel. Aí achei que fosse algum ex-aluno que tivesse se mudado.
Mas eu me lembraria dos ex-alunos. Poderia até não me lembrar do nome, mas, certamente, do rosto não me esqueceria. E nada. Nada de saber quem era. Odeio esses esquecimentos. E principalmente porque se ele se lembrava de mim, eu deveria me lembrar dele também. Só que essa equação não funciona sempre assim.
Aceitei o pedido e o solicitante me perguntou, de cara, se eu me lembrava dele. Disse que sim, mas não saberia dizer de onde. Aí ele me contou toda a história e estou escrevendo isso porque até agora não estou acreditando nesse reencontro. Se é que a gente pode chamar assim.
Vamos às condições de produção: eu estava de volta a Marechal Cândido Rondon, em 2006, depois de passar quatro anos no Rio de Janeiro para cursar o doutorado. Sempre que eu me entediava por lá (isso era muito comum), vinha passar um final de semana em Cascavel para ir ao cinema, para me divertir um pouco.
Eu costumava entrar em sala de bate-papo (de Cascavel) e conheci um cara. Trocamos msn (era um canal de conversa online) e conversamos muito durante muito tempo. Aí, um certo fim de semana, marcamos de nos encontrar aqui. Eu estava hospedado num hotel e ele passou por lá para bater-papo pessoalmente, acontece que ele precisava ir em seguida para Foz do Iguaçu e assim o fez. Conversamos muito pouco, nos vimos apenas aquela vez e nunca mais nos falamos. Sabe-se lá o motivo. Se houve, nem eu nem ele nos lembramos.
Faz dez anos isso. Eu provavelmente não mudei tanto. Claro que fiquei mais velho, barba branca, mas as feições não mudam tanto de 40 para 50 anos, mas ele, certamente mudou. De um pós-adolecente para um homem: isso faz diferença.
Bem, não é nada extraordinário, mas curioso, justamente por ter sido apenas um encontro rápido e único e ainda assim ele ter me reconhecido. Ah, ele me disse que me procurou muito nas redes sociais, mas na falta de um sobrenome era praticamente impossível esse reencontro.
Disse-me também que ao encontra uma conta de email perdida e conseguir recuperar a senha, encontrou por lá, numa troca de mensagem, o meu sobrenome. É isso. A gente pode ficar feliz também com esses encontros. Eu estou.

2 comentários:

  1. Esta é a vida, nos pregando momentos únicos! Mas ao mesmo tempo nos ensinando a valorizar o passado, o presente e o futuro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom poder se lembrar e se lembrar com carinho de um tempo que passou.

      Excluir