sexta-feira, 27 de maio de 2016

O buraco sempre é mais embaixo

Uns dizem que chegamos no fundo do poço. Eu acho, porque sou pessimista, que o buraco ainda é mais embaixo. 
Depois da divulgação tardia dos grampos de  Sérgio Machado, pela Folha de São Paulo, em relação à articulação dos políticos do PMDB sobre o impedimento da presidenta Dilma, muito pouco ou quase nada tem sido falado sobre o papel do STF nesse processo.
As escutas trazem informações sobre o envolvimento de ministros do Supremo Tribunal Federal e políticos da oposição nessa articulação, mas, quando esses mesmos ministros são ouvidos, eles falam tão somente sobre a Operação Vaza Jato que não sofreu interferência alguma.
Bem, é verdade que tudo continua funcionando como sempre esteve. É aí que mora o perigo ... porque se continua funcionando como sempre funcionou significa dizer que a forma de apuração vai continuar sendo feita sobre uns em detrimento de outros. Que aquelas tão esperadas respostas sobre o envolvimento de políticos de outros partidos (além do PT), alguns citados em quase todas as delações, continuará sobre o forte impacto do silêncio.
E o Jucá? Basta que ele saia do ministério? Nada mais vai acontecer? E o Senado diante disso? E o Renan? E o Sarney? As máscaras caíram, e...? Tudo certo agora? A Folha divulga e pronto, ela fez o seu papel, volta ao patamar de ser um jornal que fala sobre e ponto final?
Acho de verdade que se não formos para a rua mostrar a nossa indignação com tudo isso, nada vai mudar. Acho também que não vai adiantar nada ficar em casa esperando um milagre porque ele não vai acontecer. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário