sexta-feira, 3 de junho de 2016

Não gosto de contar com o ovo no cu da galinha

O preço que pagaremos por nossa ingenuidade (ou burrice) não vai ser pequeno. Acreditar em que os grampos envolvendo os políticos do PMDB e de outros partidos podem fazer com que a presidenta Dilma permaneça no Planalto vai enterrar a possibilidade de eleições diretas. Talvez essa possibilidade de eleição seja a única alternativa dos partidos de esquerda nas atuais condições.
Não dá para levar a sério o fato de que um ou dois senadores estão querendo rever os seus votos. Isso me parece muito mais um golpe midiático do que qualquer outra coisa. Além disso, contar com essa pequena possibilidade já é perceber que as escutas não produziram absolutamente nada em termos do reconhecimento de que o Golpe é um Golpe.
Se as tais escutas pudessem alterar a percepção desse plano a ponto de deslocá-lo de forma que muitos senadores (e não apenas dois) estivessem balançados, teríamos sim a esperança de que esse quadro pudesse se reverter. Mas não é isso que está acontecendo. Vamos mais uma vez ser massacrados pelos senadores com o aval do Supremo Tribunal Federal (que estará no comando do processo) legitimando esses votos de forma a nos impossibilitar de questionar o leite derramado.
Os partidos de Esquerda precisam se organizar em torno de um plebiscito popular sobre as eleições diretas para presidente da república (ainda este ano) se se quiser de verdade adiar a tomada definitiva do governo por esses vampiros que se instalaram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário