terça-feira, 2 de junho de 2009

Você está preparado para ter um cão de estimação? (texto)

Cães são boas companhias, são divertidos, alegres, estão sempre prontos para receber carinho e brincar. Se filhotes são muito graciosos além daquela carinha que dá vontade de beijar muito, mas adotar ou comprar um animal de estimação não pode ser uma decisão que se toma assim sem pensar.
Cães crescem, dão trabalho, custam caro, precisam de atenção e espaço. Por isso, por conta de decisões impensadas, temos uma grande quantidade de animais abandonados todos os dias. De acordo com dados do Instituto de Proteção aos Animais do Brasil (IPAB) 50% dos animais abandonados são de raça, como poodle, cocker spaniel, pastor alemão, rottweiler e fila, que estão entre as que têm maior índice de rejeição.
É muito comum pessoas que, ao enfrentarem algum contratempo com o cão, querem 'devolver' o animal. Os motivos são diversos: muita bagunça em casa, aumento das despesas por causa de rações e cuidados com o animal, doença, velhice, mudança.
Um fator importante a ser levado em conta é custo mensal para um cão de pequeno porte, os mais procurados - em média, de R$ 150, valor que já inclui gastos com ração, banho e tosa. Além do lado financeiro, existe a questão do tempo que a pessoa tem para se dedicar ao animal. Não adianta deixá-lo trancado o dia todo dentro de casa e só brincar com ele à noite. O ideal é que o cão saia pelo menos duas vezes por dia para passear e fazer suas necessidades na rua. Para quem mora em apartamento e tem pouco espaço, as raças mais indicadas são yorkshire, lhasa apso, shitzu, schnauzer e pinscher. Já quem dispõem de um espaço maior pode arriscar a ter cães como golden retriever, labrador e boxer.
Para evitar a atitude extrema de abandonar o cão é simples - embora quase ninguém faça isso na hora de comprar ou adotar um animalzinho de estimação, converse com um veterinário. Conheça os hábitos dos animais e tenha em mente qual tipo de companhia você quer ter em casa.


2 comentários:

  1. Pois é meu amigo...por essas e outras eu não queria uma cachorro mesmo assim, o Luke (Skywalker) veio, meu basset de dois meses, diante protestos do tipo, "você não vai deixar a sua filha ter um cãozinho" acabei cedendo...
    lado bom: ele conquistou a todos, é um fofo, não late muito, e é muito carinhoso, e fica fora de casa, porque ele me já entendeu o recado...rs
    lado ruim: minha filha nem gosta tanto dele assim, faz coco pra todo lado, ja gastei uma nota em caminha, roupinha, papita e etc
    Como ele é ainda um filhote me preocupo muito com as vacinas, principalmente por causa da Ju, com alergia nela e em mim e com a época de cruzar, essas coisas...
    Mas sem dúvida, dá muuuuuiiiiiiitoooo trabalho, exige carinho, cuidado e atenção.
    Recentemente também vivi um drama com o cachorro dos meus pais, meu pai faleceu e minha mãe ficou muito doente, e o cachorro sobrou, e por ser velho e meio bravo, foi muito difícil resolver o problema com ele, por isso reforço o apelo, cachorro exige muito, a gente deve pensar muito mesmo antes de ter um...embora a maioria seja seduzida por essas coisinhas fofas...cachorro é como a gente...cresce e envelhece....bjão pra vc.

    ResponderExcluir
  2. Oi querido!
    Moro em apartamento. Acho uma injustiça com o bichinho, por isso não temos não.
    Bjs.

    ResponderExcluir