quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Projeto Escola sem Homofobia (texto)

O Projeto “Escola sem Homofobia”, financiado pelo Ministério da Educação e impulsionado pela Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT, por meio de recursos aprovados pela Emenda Parlamentar da Comissão de Legislação Participativa, é uma ação colaborativa de organizações da sociedade civil (ABGLT, Pathfinder do Brasil, Reprolatina, ECOS e GALE ), contando com a orientação técnica da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD) do Ministério da Educação.
A finalidade do projeto é a de implementar ações que promovam ambientes políticos e sociais favoráveis à garantia dos direitos humanos e da respeitabilidade das orientações sexuais e identidade de gênero no âmbito escolar brasileiro.

Recentemente, o projeto finalizou a implementação de cinco encontros regionais em Curitiba, São Paulo, Belém, Brasília e Salvador, que congregaram
representantes do movimento LGBT brasileiro; organizações da sociedade civil; centros acadêmicos de pesquisa; Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde, Educação, Justiça e Direitos Humanos; Programas Estaduais e Municipais de HIV/Aids; Grupos Gestores Estaduais, Municipais e dinamizadores regionais do Programa Saúde e Prevenção nas Escolas; Ministério Público; Câmaras Municipais e Estaduais; Senado; Programa Nacional de HIV/Aids; SECAD; e a imprensa escrita e falada.
Atualmente o projeto está iniciando a implementação de uma pesquisa sobre a homofobia no ambiente escolar em onze capitais brasileiras e a produção e distribuição de materiais educacionais abordando o tema da homofobia.

O projeto está também desenvolvendo uma série de materiais educacionais que farão parte de um “kit” que será distribuído inicialmente para 6.000 escolas dos níveis fundamental e médio do sistema de ensino público brasileiro.

Depoimentos:

“A homofobia está em todas as áreas, parte do professor, do aluno, da família e é reflexo do estereótipo criado na sociedade. Não vai ser fácil. Mas estamos lançando a semente para que nenhum jovem deixe de ir à escola por conta de sua orientação sexual”.
Carlos Laudari, diretor da Pathfinder do Brasil, instituição que gerencia o Projeto “Escola sem Homofobia”.

“A discriminação e o preconceito estão dentro e fora das escolas. Não culpamos o professor, pois a homofobia está na sociedade. Temos de dar instrumentos para que ele saiba lidar com essa questão. E o projeto será um importante instrumento na busca de subsídios para a implementação de políticas públicas”.
Danielly Queirós, técnica da SECAD/MEC.

4 comentários:

  1. Minha filha estuda em um colégio católico e existe uma disciplina que trabalha a questão das diferenças através de projetos e a homofobia é um deles.
    Vc precisa ver a consciência dela em relação a este tema.
    Sempre conversamos sobre o tema aqui em casa tb.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. No mês passado ministrei um mini-curso sobre "Educação e Gênero" na Universidade do Estado da Bahia e apresentei uma comunicação sobre os silenciamentos e traumas provocados pela homofobia na educação básica do município baiano de Teixeira de Freitas. A discussão é latente e precisa ser abordada, estou esperançoso com o debate e a fomentação de políticas públicas.

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de Saber como receber esse KIT ESCOLA SEM HOMOFOBIA‏?

    ResponderExcluir
  4. Camilo, vc pode escrever para o Toni Reis, presidente da AGLBT: tonidavid@avalon.sul.com.br

    ResponderExcluir