sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Sentimento de Culpa (texto)

Sentir-se culpado produz vários tipos de comportamentos: um deles, tenho percebido na forma como um familiar bem próximo se movimenta, é o de tornar a vida de outras pessoas um inferno. "Como - e isso é apenas uma impressão - não posso por mil motivos ajudar, tento criar um clima bem ruim para que eu possa, então, me afastar por conta dessa situação que nem de longe foi criada por mim." Parece-me a maneira como esta pessoa tem se comportado.
É difícil compreender como certas pesssoas funcionam, mas algumas são tão óbvias na forma como agem que chega a ser matemático o passo seguinte.
Se eu tenho os meus limites, que eu os aceite, ou então que eu procure um especialista para resolvê-los. Não posso ou não devo achar que o outro é o responsável por essa limitação.
O sentimento de culpa é o sofrimento obtido após reavaliação de um comportamento passado tido como reprovável por si mesmo. A base deste sentimento, do ponto de vista psicanalítico, é a frustração causada pela distância entre o que não fomos e a imagem criada pelo superego daquilo que achamos que deveríamos ter sido.
Há também outra definição para "sentimento de culpa", quando se viola a consciência moral pessoal (ou seja, quando pecamos e erramos), surge o sentimento de culpa.
Para a Psicologia Humanista-existencial, especialmente a da linha rogeriana, a culpa é um sentimento como outro qualquer e que pode ser "trabalhado" terapeuticamente ao se abordar este sentimento com aquele que sofre. Para esta linha de Psicologia, um sentimento como esse, quando chega a ser considerado um obstáculo por aquele que o sente, é resultado de um inadequado crescimento pessoal mas não é considerado uma psicopatologia.
Para os rogerianos, todas as pessoas têm uma tendência a atualização que se dirige para a plena auto-realização; sendo assim, o sentimento de culpa pode ser apenas limitação momentânea no processo de auto-realização.
É bastante concebível que tampouco o sentimento de culpa produzido pela civilização seja percebido como tal, e em grande parte permaneça inconsciente, ou apareça como uma espécie de mal-estar, uma insatisfação, para a qual as pessoas buscam outras motivações.
As religiões, pelo menos, nunca desprezaram o papel desempenhado na civilização pelo sentimento de culpa. O sentimento de culpa, a severidade do superego, é, portanto, o mesmo que a severidade da consciência. É a percepção que o ego tem de estar sendo vigiado dessa maneira, a avaliação da tensão entre os seus próprios esforços e as exigências do superego. É o ponto-chave do texto "Mal estar na civilização" de Sigmund Freud.

Um comentário:

  1. Ma difícil que entender o sentimento de culpa é ficar livre dele.
    Bjs meu querido.

    ResponderExcluir