quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Educação sexual (texto)

Educação tem relação íntima com aprendizado (parece até que estou brincando). Ninguém é ou pensa como pensa/é, simplesmente porque nasceu pensando/sendo assim ou assado. Somos, sem dúvida, frutos do nosso tempo e nossos pensamentos, quase que de forma geral, acompanham as tendências nessas condições.
Disse de forma geral, porque, sabemos, todos nós, que sempre existe a possibilidade de ser de outra maneira, sempre há alguma resistência ao que chamamos de pensamento hegemônico. Graças a deus, de outro modo a gente não se transformava, o mundo não se transformava.
Sexo é natural. Basta olhar para ver todos os dias o universo nos presentenado com cenas sexuais por todos os lados (desculpem o trocadilho). No entanto, sabe-se lá quando, o sexo passou de natural a uma forma ameaçadora: talvez o cristianismo, talvez as Igrejas de maneira geral, talvez a Medicina, talvez a própria Educação, talvez a Cultura ocidental. Ou melhor, talvez todas essas Instituições ao mesmo tempo na mesma direção.
E aí em nome disso e daquilo produzem-se preconceitos, tabus, discriminações, silêncio em torno de algo que precisa ser discutido. Sexo é saúde, alegria, prazer, possibilidade de perpetuação da espécie, manifestação de amor, carinho etc & tal, e portanto, não deve ficar relegado aos comentários aos pés-dos-ouvidos. Ou estaremos perpetuando, produzindo, uma geração doente, crianças que (como nossos pais e como nós mesmos) não podem sequer ouvir/falar sobre o assunto, como se ele fosse o maior dos crimes.
A escola não é a salvação para tudo, eu sei, mas cabe também a ela, discutir, propor discussões sobre o tema, justamente para desconstruir essa aura de "coisa feia", de "pecado", de "doença", de "crime" que ronda o imaginário em torno desse assunto.
Creio que não podemos mais ignorar a necessidade de abrirmos as portas para um grande debate sobre educação sexual e esgotarmos tudo que está nas “entrelinhas” e dificulta a discussão sobre esse assunto inesgotável de interrogações.
Encarar os debates, propor uma sociedade mais justa e que, nesse sentido, passa por uma sexualidade igualitária. Mas não para por aí. Precisamos informar cada vez mais e, além disso, desenvolver uma atitude positiva diante da sexualidade. A falta de informação e as mensagens distorcidas geram ansiedade e culpa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário