quinta-feira, 22 de julho de 2010

O mínimo para ser o máximo (texto)

Qual seria o mínimo necessário para se viver em harmonia? Fiquei pensando nisso hoje em virtude dos depoimentos dos amigos/familiares em torno na morte de Rafael Mascarenhas.
O respeito pelos outros passa por muitos lugares. Acredito que educação (nada a ver com escolarização) é a base pra tudo. Por exemplo, ao dirigir não se deve falar no celular (básico). A luz do pisca não é um acessório, mas o que indica entrar à direita ou à esquerda (evita acidentes).
Será que o mundo fica mais chato se as regras de educação forem respeitadas?
Furar fila é falta de educação (não importa se a fila termina a dois lugares depois); chegar atrasado tb é falta de educação.
Parar em lugar não permitido tb é falta de educação. Correr além do permitido tb é infração (legal e social). Respeitar o sinal verde/vermelho/amarelo tb é sinal de educação.
Falar ao mesmo tempo tb é sinal de ausência de educação (mas e se os humores estiverem alterados?). Não se controla tudo, é bem verdade.
Beber e dirigir é uma tremenda falta de educação. Automóvel é uma arma na mão de quem não é treinado.
Mas não é só isso. A forma como a gente é educado reflete a forma como os nossos filhos são educados (quase sempre isso é uma verdade).
Tem menino que queima índio e se explica dizendo que "achou que fosse um mendigo"; tem menino que bate em mulher e se justifica falando que "pensou que fosse uma prostituta"; tem menino que saí puxando criança pelas ruas e se justifica: "pensei que fosse um boneco de Judas". Tem gente que mata e afirma que foi por amor e por aí vai. O caminho é longo e a cada passo mais estranho, bizarro.
Andar de skate num túnel interditado é perigoso, mas não é crime como fazer pega. É errado, certo? Mas não é crime. Se policiais estivessem vigiando de alguma forma o túnel, duvido muito que os meninos estivessem lá, ou continuassem lá.
Acho que (nem sei se estou falando de um passado que existiu. É possível que não) olhar o outro como humano deixou de fazer parte da educação. Se é que algum dia isso já tenha sido feito.
A cidade não tem lei. A polícia não faz o serviço que devia fazer (sempre sem generalizar). Quem fiscaliza, não faz tb a sua parte. Quase tudo é medido pelo dinheiro que se ganha ou que se perde.
Mas é possível que exista um mínimo necessário para poder viver entre os outros. A questão é saber que mínimo é esse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário