segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

É Fantástico! (texto)

Ontem enquanto eu jantava, imagens do Fantástico na TV do restaurante me chamaram a atenção, eu meio distante da tela não compreendia exatamente sobre o que tratavam. Sabia mais ou menos, pelo que via, bandeira de São Paulo tatuada nas costas, frases retiradas da internet sobre nordestinos que o assunto era o recorrente preconceito de parcela da população paulista, mas ao mesmo tempo passavam imagens da árvode de natal da Lagoa (Rodrigo de Freitas, aqui do Rio) que não faziam muito sentido (naquele momento).
Agora ao ler no site da Globo.com descobri que realmente o assunto era o velho preconceito de alguns paulistas contra os nordestinos e, para minha surpresa (não que eu não soubesse, mas ainda não havia lido  manifestação por escrito), de moradores da zona sul do Rio em relação aos moradores de outras regiões.
Primeiro, gostaria de dizer que tanto uma quanto outra manifestações não são novidades. Há muito tempo ouço, aqui no Rio, a desqualificação de quem mora depois (sic) do Túnel (Túnel do Pasmado ou Túnel Novo). Observação: e como a referência é a zona sul, depois define O Lugar.
Em seguida, (nem vou me deter ao preconceito sobre os nordestinos porque já postei aqui, logo depois da vitória de Dilma, sobre esse assunto) preciso escrever que toda manifestação nesse sentido é de uma ignorância tão grande, mais tão grande, ENORME que fico sem palavras para qualificar quem as (re)produz.
Os argumentos são tão pequenos e provavelmente refletem o tamanho da capacidade de raciocínio do morador da Lagoa que o escreveu. Achar que pessoas são melhores ou piores porque nascem (ou vivem) em regiões diferentes é tão sem força que me faltam mesmos contragurmentos e, sobretudo, vontade de combatê-los. O que dizer de alguém que escreve isso? Família, escola, amigos, em algum momento (infelizmente), tb produzem (será?) esse pensamento.
Mas vamos ao que interessa: o que acontece de fato com as pessoas que fazem esse tipo de declaração? Até onde sei, na-da. O que aconteceu de fato com a estudante de direito que definiu os nordestinos como raça inferior (etc.) depois da derrota de José Serra nas eleições para presidente da república? É ou não crime passível de penalização?
E com esses dois jovens, o que vai acontecer? O carioca João Marcos Aguiar Gondim Crespo é estudante de direito formado por qual universidade (realmente isso me interessa)? Como é que um cara desses pode advogar? O que a OAB faz quando casos como esses acontecem? Tantas perguntas...
Não seria o caso de penalização para (não acabar com o preconceito, porque ele não acaba com as leis) inibir esse tipo de comportamento? Se ficarmos apenas na divulgação...

Um comentário:

  1. Alexandre,
    A discussão que vc traz nesse post comprova o que frequentemente alerto aos meus alunos: a escrita ao alcance de certas pessoas é tão perniciosa quanto uma arma letal.É digno de pena o indivíduo que se julga melhor do que outro só porque está geograficamente situado numa região e não em outra. Esse tipo de discurso- preconceituoso- pode ser usado em sala de aula como exemplo de um péssimo uso da escrita e deve ser combatido veementemente. E isso se faz com o exercício da contra-palavra.
    Abraço. Boas férias!

    ResponderExcluir