sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Múmia Egípcia (texto)

O presidente do Egito, Hosni Mubarak, foi para o balneário de Sharm el Sheij, no Mar Vermelho, a 400 km do Cairo, informou nesta sexta-feira (11) Mohammed Abdellah, porta-voz de seu partido, o Nacional Democrático.
Mubarak, que tem uma residência no balneário, deixou a capital em meio a mais um dia de grandes protestos de rua pedindo sua saída imediata do governo. Testemunhas viram dois helicópteros decolando do palácio pouco depois do anúncio do porta-voz.
A TV estatal anunciou que a Presidência do Egito faria um comunicado "importante e urgente" em breve, mas não adiantou o teor.
Pouco antes, o Exército soltou nota prometendo  levantar o estado de emergência sob o qual o país vive desde 1981, "assim que as circunstâncias atuais terminarem".
Os militares também prometeram garantir uma eleição presidencial "livre e justa" em setembro, além de mudanças na Constituição e da proteção da nação, que vive há 18 dias uma crise política sem precedentes, com fortes manifestações de rua pedindo a renúncia imediata do presidente, de 82 anos e há 30 no poder.
No comunicado, que foi interpretado como uma demonstração de apoio a Mubarak, o Exército disse que não vai perseguir os "honrados cidadãos que rechaçaram a corrupção e pediram as reformas".
O comunicado do Exército deixa claro que os militares querem que a população encerre os protestos de rua e volte para casa.

Clima tenso
O clima seguia tenso no Cairo, onde manifestantes antigoverno tomavam mais uma vez as ruas, um dia após o líder ter transmitido os poderes "de fato" para Suleiman. A France Presse avaliou que ao menos um milhão de pessoas participavam dos protestos.
Insatisfeitos com o discurso de Mubarak na véspera, egípcios se reuniam na frente do palácio presidencial para pedir sua saída imediata do poder e ameaçavam invadir o prédio. O Exército, que guarda o palácio, observava, mas não tentava impedir os manifestantes.
Os protestos se intensificaram depois das tradicionais orações do meio dia da sexta-feira (8h de Brasília).
Na Praça Tahrir, foco das manifestações, três soldados egípcios abandonaram os uniformes e as armas e se uniram aos manifestantes contra o regime, afirmaram testemunhas.
"Eles se uniram à multidão sorrindo e gritaram frases a favor da queda do regime", declarou à France Presse uma das testemunhas, o estudante Omar Gamal.

Discurso
Na véspera, Mubarak frustrou os manifestantes que esperavam sua renúncia imediata e confirmou, em discurso na TV, que pretende continuar no governo até setembro, à frente da transição de poder. Ele também disse que iria transferir poderes ao seu vice.
Sameh Shoukr, embaixador do Egito nos EUA, explicou que Mubarak transferiu todos os poderes da presidência para seu vice, mas permanece do chefe de Estado "de jure" (de direito).
O embaixador disse que esta versão lhe foi contada pelo próprio Suleiman.
A decisão de Mubarak de ficar durante a transição irritou ainda mais a população local. Milhares de pessoas passaram a noite na praça Tahrir.
Em um discurso de tom patriótico, Mubarak afirmou que a transição no Egito em crise vai ocorrer "dia após dia"  até as eleições presidenciais marcadas para setembro. Ele prometeu proteger a Constituição durante todo o processo.
Mubarak disse que propôs emendas aos artigos 76, 77, 88, 93 e 189, e cancelou o 179, que dava poderes extras ao governo em caso de combate ao terrorismo.
O presidente afirmou que iria transferir poderes a Suleiman, segundo a Constituição, mas não esclareceu quando, até que ponto ou de que maneira isso ocorreria.
Em discurso posterior ao de Mubarak, Suleiman, -que já vinha liderando as negociações com a oposição- se comprometeu a tentar fazer "uma transição pacífica de poder" e pediu que os manifestantes acampados no Cairo voltem para casa.
A transferência de poder ao vice, segundo o ex-general, seria uma demonstração de que as reivindicações dos manifestantes estavam sendo respondidas pelo diálogo, e que as conversas com a oposição levaram a um "consenso preliminar" para resolver a crise.
O presidente também pediu desculpas pela repressão aos protestos de rua dos últimos dias, disse que sentia muito pelas vítimas e prometeu punir os responsáveis.
Ele afirmou que compreendia e estava de acordo com as reivindicações dos jovens e também disse que "não aceitaria ordem externas", em uma referência aos constantes pedidos de líderes internacionais pela democratização do país.
Mubarak também disse que as mudanças pretendem criar condições para anunciar o fim do estado de emergência, sob o qual governa desde o início, em 1981.
Ele já havia prometido acabar com a medida, mas sem estabelecer data.
O presidente disse que o Egito permanecerá "acima dos interesses individuais" e que não deixará o país.

Oposição
O líder oposicionista Muhamed ElBaradei disse que o Egito "vai explodir", após o discurso de Mubarak. Ele pediu ao Exército que "salve o país". Já a Irmandade Muçulmana, principal grupo opositor, assumiu uma postura mais cautelosa e elogiou a transferência de poder.
Desde o início das negociações, no último domingo (6), a oposição reclama de "falta de clareza" do governo ao anunciar concessões, que vem emperrando o diálogo.

Possível renúncia
O discurso de Mubarak ocorreu após um dia marcado por vários relatos, muitos deles contraditórios, de que ele iria renunciar imediatamente.
Pelo menos 300 pessoas morreram e 5.000 ficaram feridas na repressão das forças de segurança aos protestos, segundo a ONU.
O clima era antecipadamente de festa no país à medida que anoitecia, mas o discurso televisionado foi recebido negativamente nas ruas.
Os manifestantes continuaram pedindo a saída imediata do presidente, sem entender exatamente o significado concreto da sua fala.

Repercussão internacional
O presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse que esperava que o Egito rume no caminho de uma democracia e não de uma nova ditadura. Ele foi o primeiro líder mundial a falar após o discurso de Mubarak.
A primeira reação da Casa Branca à crise foi pedir uma "transição imediata", o que significava a renúncia de Mubarak, antes aliado americano. Mas depois o governo americano atenuou seu discurso e passou a defender apenas uma transição.

Israel
O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, disse na ONU que cabe ao povo do Egito "encontrar seu caminho", de acordo com a Constituição do país.
A crise política no Egito preocupa Israel, que considera o Cairo um fator de estabilidade na conturbada região do Oriente Médio.
O presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, celebrou as revoltas populares na Tunísia e no Egito e afirmou que o Oriente Médio vai se livrar dos EUA e de Israel.

'Saída honrosa'
O deputado trabalhista israelense Benjamin Ben Eliezer afirmou nesta sexta que  Mubarak comentou com ele, em uma conversa por telefone na noite de quinta-feira, pouco antes de seu discurso à nação, que está buscando uma "saída honrosa".
"Ele sabe que acabou, que é o fim do caminho. Só me disse uma coisa pouco antes de seu discurso, que procurava uma saída", afirmou Ben Eliezer à rádio militar.
Ben Eliezer, que até recentemente foi ministro do Comércio e da Indústria, é considerado o dirigente israelense mais próximo de Mubarak, a quem visitou em várias ocasiões.

Fonte: http://g1.globo.com/crise-no-egito/noticia/2011/02/em-meio-protestos-presidente-do-egito-deixa-o-cairo.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário