sexta-feira, 25 de abril de 2014

Há sempre uma voz dissonante.

Romantizamos muito o passado, não é mesmo? A tendência é contá-lo como se Antes tudo tivesse sido muito melhor. Quase sempre isso é papo furado. 
Hoje, um amigo postou no Face uma frase que, apesar de não fazer referência explícita ao passado, me deu a impressão de que se tratava disso: a frase era sobre a violência no futebol, mas com um trocadilho sobre a violência no Rio de Janeiro.
O Rio sempre foi uma cidade violenta, mas como a violência se instalava, quase sempre, nas favelas ou no subúrbio "tudo estava sob controle": era uma guerra entre traficantes e eles próprios se matavam. "Melhor assim, né?!" Antes que me interpretem mal, isso é uma ironia.
Vezinquando havia um grande assalto, um grande roubo, um assassinato no asfalto da Zona Sul da Cidade Maravilhosa e isso sempre produziu muitas páginas de jornal, muito disse me disse etc. Não que esses crimes não devessem produzir, mas apenas esses circulavam nos jornais como "assustadores". Era a antiga classe média sendo dita. Isso causava alguma comoção no Jornal Nacional (JN), o resto não merecia nem uma notinha. Quase nunca a polícia estava metida, porque polícia boa não se mete com a classe média.
Os demais crimes ilustravam as páginas dos chamados jornais populares (sobre os quais dizíamos "se torcer sangra"), os quais não tinham muita importância, serviam mesmo para embrulhar o peixe do dia seguinte.
A polícia continua, hoje, violenta (quase que ia escrevendo "mais" violenta, mas não dá para romantizar  passado tb pelas vias de um presente deslocado), os bandidos continuam violentos, mas a população mudou demais. E acho que mudou para melhor no que diz respeito ao conhecimento dos seus direitos. Aquele discurso de "somos todos iguais" tem produzido algum deslizamento sobre o comportamento da população, de uma forma geral.
Não faz muito tempo, um caso como o do pedreiro Amarildo, não seria sequer apurado. Ele (o caso e o pedreiro) simplesmente sumiria do mapa e pronto. Não se falaria mais sobre isso.
"Favelado não presta!", "Todos os moradores da favela são envolvidos com o tráfico", portanto, devem ser tratados como marginais. Esse era o pensamento hegemônico sobre a favelado e sobre a violência carioca. Digo, esse que se concentrava exclusivamente nas áreas menos nobres.
Alguém ser arrastado pelas ruas do Rio como um saco de lixo tb não seria uma grande notícia. Sobretudo se uma moradora da favela fosse morta, como sempre, numa troca de tiros entre policiais e traficantes nos Morros da Cidade. Vejam a diferença de cobertura da mídia entre o menino João Hélio e a Cláudia Silva Ferreira. Esta foi denominada por "A arrastada" durante muitas páginas de jornal. Nome pra quê? Moradora de favela só é/pode ser conhecida pelo fato que produziu a notícia.
A população mudou, como eu estava dizendo, e não engole da mesma forma as provocações, não deixa, simplesmente, pra lá os seus direitos, claro que em termos gerais (muita coisa continua em silêncio). Hoje em dia a câmera do celular é um "arma" em punho para registrar tb os excessos da polícia, das autoridades, dos reacionários, de toda e qualquer manifestação de toda ordem. Além disso, a mídia tb tem comprado (uma parte dela que produz bastante barulho) a briga. Até a mídia-hegemônica tem se visto obrigada a dar respostas ao alarde produzido pelos menos privilegiados.
Quem diria que seria matéria do JN uma manifestação de moradores da favela sobre um morador morto em condições estranhas, pelo menos até o momento. Refiro-me ao bailarino DG do programa Esquenta, da Rede Globo (quem diria que um um morador de uma favela poderia ser um bailarino de um programa na Rede Globo).
Bem, tb não dá pra dizer que tudo está a mil. Não mesmo. Mas percebo que há sempre uma voz dissonante, seja para responder seja para cobrar explicações em relação aos fatos que antes não teriam importância nenhuma.
Uma pena que a Polícia tb não tenha acompanhado essas mudanças: ela anda perdendo a oportunidade de ser outra e vai, certamente, pagar um preço bastante alto por isso. Já está faz algum tempo. Quem se sente protegido por essa Instituição levanta o braço! Eu não me sinto. Muito se diz sobre a desmilitarização da PM, mas não se dá um passo nessa direção. A PM não tem um serviço de inteligência e age de qualquer maneira, principalmente se se trata de negro e pobre.
Os governantes do Rio de Janeiro continuam sem fazer absolutamente nada em relação a esta questão. Silêncio total. Pipoca aqui e ali alguma notícia sobre isso quando nos encontramos no auge de um acontecimento, mas vontade dá e passa. Nada se faz. Uma pena para uma cidade que se pensa destino turístico, para uma cidade com vocação para receber bem o estrangeiro. Enquanto isso, salvem-se quem puder!

ps. Não quero dizer com este último parágrafo que a cidade deve ser pensada apenas para quem vem. Não mesmo. Para ser Maravilhosa precisa estar pronta pra quem já está e tb para quem chega.

Nenhum comentário:

Postar um comentário