segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Rio sem graça

Hoje, acordei com a sensação de que o Rio de Janeiro tinha perdido a sua graça. Tenho estado, desde o retorno de Portugal, com certa frequência na cidade, mas a cada vez que volto, fico pensando que não tenho muito mais o que fazer por aqui. Não consigo sentir o mesmo prazer de tempos atrás quando estou no Rio. Alguma coisa perdeu o sentido: é ver o visto. E atribuo a isso, principalmente, o fato de não ver novidade por essas bandas. Acho que transformei o Rio num shopping center e compras a gente faz em qualquer lugar, né não?
No entanto, sempre há um "no entanto" nos meus dias (inda bem), ao cruzar uma esquina do Centro da Cidade me deparo com um grande amigo, Henrique, e pronto, um breve papo no meio da rua alegrou demais aquele instante e aquela sensação de que não valia a pena, passou. Foram alguns poucos minutos de conversa, mas o suficiente para me fazer rir muito. Rir das suas ideias de separação do Brasil depois da reeleição da presidenta Dilma e a partir das postagens (no Facebook) de quem votou no Aécio, candidato de oposição, e não se conformou com o resultado.
Ri tb muito das suas ideias sobre urbanizar o meu apartamento com árvores frutíferas, além de legumes, plantas ornamentais, hortas etc. Como é bom rir! Rir de humor inteligente. Rir com gente do bem. Rir de verdade, com vontade.
Bem, foi um encontro tão rápido que tive tempo apenas de trocar poucas palavras, ver um mapa no seu celular ... dar e receber um abraço, mas foi um (re)encontro muito bom! Somos amigos há mais de 30 anos e nos vemos com muita frequência (sempre que estou por aqui, dou um jeito de tomar um chope com ele). E hoje foi, sei que ele nem percebeu isso, especial esse encontro. Valeu, Henrique!!!!

domingo, 19 de outubro de 2014

Da Série Contos Mínimos

A cada dia menos. A cada hora, quase nada. Se surpreendia com as deslembranças. Era como se aos poucos nunca tivesse sido.

Da Série Contos Mínimos

Ao cruzar a rua, deu de cara com um amigo de longa data. Fazia tempo que não se viam. Falaram pouco, faltou assunto. Olharam-se profundamente, sobrou carinho.

sábado, 4 de outubro de 2014

Da Série Contos Mínimos

Nem tristeza, nem alegria, nem saudade, nem presença. Nada. Nada, simplesmente. Não existia nada. Nem memória, nem futuro, dia ou noite. Não restava um som sequer. Não tinha brilho, não tinha escuridão. Sol ou lua pra contar histórias. Vazio, vazio, vazi, vaz, va, v.

Estação Derradeira (Chico)

Rio de ladeiras
Civilização encruzilhada
Cada ribanceira é uma nação

À sua maneira
Com ladrão
Lavadeiras, honra, tradição
Fronteiras, munição pesada

São Sebastião crivado
Nublai minha visão
Na noite da grande 
Fogueira desvairada

Quero ver a Mangueira
Derradeira estação
Quero ouvir sua batucada, ai, ai

Rio do lado sem beira
Cidadãos 
Inteiramente loucos
Com carradas de razão

À sua maneira
De calção
Com bandeiras sem explicação
Carreiras de paixão danada

São Sebastião crivado
Nublai minha visão
Na noite da grande 
Fogueira desvairada

Quero ver a Mangueira
Derradeira estação
Quero ouvir sua batucada, ai, ai